Negócios

Société Générale conhecia operações de Kerviel

Kerviel foi acusado de ter dissimulado operações de alto risco, de 50 bilhões de euros no momento em que o escândalo explodiu, no início de 2008

Kerviel foi acusado de ter dissimulado operações de alto risco, de 50 bilhões de euros no momento em que o escândalo explodiu, no início de 2008 (Thomas Samson/AFP)

Kerviel foi acusado de ter dissimulado operações de alto risco, de 50 bilhões de euros no momento em que o escândalo explodiu, no início de 2008 (Thomas Samson/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 18 de maio de 2015 às 10h27.

Paris - A oficial da polícia que dirigiu a investigação sobre a perda de 4,9 bilhões de euros sofrida pelo Société Générale em 2008 disse a um juiz que o banco francês conhecia as operações de seu ex-corretor da bolsa Jérôme Kerviel, segundo o site de informação Mediapart.

Ex-comandante da polícia financeira, Nathalie Le Roy, que prestou depoimento ante o juiz no âmbito de uma investigação por fraude e falsificação iniciada em 2014, mencionou o testemunho de um ex-funcionário do Société Générale, afirmou o Mediapart.

Este funcionário, que trabalhava no setor de "riscos operacionais" do banco, disse à polícia que "a atividade de Jérôme Kerviel era conhecida" e afirmou que já havia alertado em abril de 2007 vários diretores através de um e-mail "com uma caveira, para atrair sua atenção".

Apesar de várias tentativas, incluindo uma incursão judicial no banco, Le Roy não conseguiu encontrar esta mensagem, de acordo com o Mediapart.

Com base nos interrogatórios e documentos que analisou durante a investigação, a polícia afirmou que teve "a impressão e depois a certeza de que a hierarquia de Jérôme Kerviel não podia ignorar as posições tomadas por ele", escreveu o jornal eletrônico.

O banco reagiu a estas afirmações manifestando seu choque e lembrou que a justiça reconheceu a culpa penal exclusiva de seu ex-corretor.

Kerviel foi acusado de ter dissimulado operações de alto risco, de 50 bilhões de euros no momento em que o escândalo explodiu, no início de 2008.

Acompanhe tudo sobre:Açõesbolsas-de-valoresEmpresas francesasSociété Générale

Mais de Negócios

Shopee ultrapassa Amazon e se torna segundo e-commerce mais acessado do Brasil em maio; veja a lista

Por que a Cimed está disposta a pagar R$ 450 milhões pela Jequiti

Com solução para quem enfrenta o câncer, a Oncoclínicas&Co é eleita uma das Melhores do ESG

Empresa do Paraná que ajuda na cobrança de dívidas compra startup de Natal e mira R$ 100 milhões

Mais na Exame