A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Sindicalistas se reúnem na Câmara para discutir crise no setor automotivo

Audiência Pública abordará efeitos de paralisações e encerramentos das fábricas no Brasil

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

As fábricas da Ford fecharam no início deste ano, mas o tema será levado para Audiência Pública na Câmara dos Deputados – que abordará o encerramento e suspensão das atividades de empresas do setor automotivo durante a pandemia. E a discussão está marcada para 9h30 desta quinta-feira, 25, para tratar dos impactos da desindustrialização nos empregos e na arrecadação.

Com o sobe e desce do mercado, seu dinheiro não pode ficar exposto. Aprenda como investir melhor.

No requerimento do deputado Vicentinho (PT), foi anexada uma nota publicada pelo Departamento Intersindical, de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) que indica a redução de 24,5% dos postos de trabalho entre outubro de 2013 e dezembro de 2020, quando o setor automotivo passou de 159.648 empregos diretamente vinculados à indústria para 120.538 pessoas.

Havia mais de 30 mil desempregados no setor, incluindo os ex-funcionários da Ford, desligados em 2019, após o fechamento da linha de montagem em São Bernardo do Campo (SP), de acordo com o documento redigido no mês de maio. No caso da empresa norte-americana, o parlamentar ainda diz existir compromissos firmados por mais quatro anos devido aos benefícios fiscais.

“Essas empresas pactuaram compromissos em acordos internacionais, com vantagens tributárias, de logística e trabalhistas, a exemplo da Ford, que tem instrumento com validade até 2025 no Brasil e obrigações com os trabalhadores firmadas em instrumentos de negociação coletiva vigentes”, diz o deputado no texto para Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público.

O parlamentar indica ser necessário avaliar as consequências de rupturas antecipadas dos acordos e seus desdobramentos – com participação de trabalhadores, setor empresarial, órgãos fiscalizadores e especialistas –, já que o Dieese afirma que, no caso da Ford, além de 5 mil empregos diretos, mais de 113 mil postos são impactados e custam 3 bilhões de reais à arrecadação anual.

Entre os convidados há Luis Carlos Moraes, da Anfavea; Aroaldo Oliveira da Silva, da Industrial Brasil; Cláudio Batista da Silva Junior, do Sindicado dos Metalúrgicos de Taubaté e Região; Erick Pereira da Silva, da Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT-SP; Fausto Augusto Júnior, do Dieese; e Ronaldo Lima dos Santos, da Coordenadoria Nacional de Promoção da Liberdade Sindical.

O futuro do varejo é 100% digital? Entenda assinando a EXAME por menos de R$ 11/mês.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também