Negócios
Apresentado por SHOPEE

O fenômeno Shopee: por que o marketplace se tornou o queridinho dos brasileiros

Com mais de 10 mil colaboradores e 3 milhões de vendedores brasileiros no país, o marketplace ajuda marcas e empreendedores a impulsionarem suas vendas.

Deise Dória, da Palha Decor: usando a plataforma da Shopee para vender, marca emprega indiretamente mais de 100 pessoas (Shopee/Divulgação)

Deise Dória, da Palha Decor: usando a plataforma da Shopee para vender, marca emprega indiretamente mais de 100 pessoas (Shopee/Divulgação)

EXAME Solutions
EXAME Solutions

EXAME Solutions

Publicado em 9 de maio de 2024 às 09h00.

Última atualização em 9 de maio de 2024 às 09h35.

A vida da sergipana Deise Dória é outra depois da Shopee. Em 2020, diante de dificuldades financeiras, essa professora municipal viu no marketplace, que conecta vendedores e consumidores em uma experiência de compra fácil, segura e divertida, a oportunidade de começar a empreender. Hoje, sua loja, a Palha Decor, emprega indiretamente mais de 100 pessoas.

Tudo começou no período do Natal daquele ano. Deise costumava realizar um projeto social com o marido e, para arrecadar fundos, resolveu confeccionar guirlandas feitas com sousplats. A iniciativa deu certo e gerou demandas por outros produtos artesanais.

Foi aí que um amigo de Deise, que trabalhava com transporte de mercadorias, sugeriu que ela se cadastrasse na Shopee para alcançar um público maior. Dito e feito. A decisão abriu portas para um crescimento exponencial, permitindo que mais pessoas conhecessem as peças e, ao mesmo tempo, contribuíssem para sua causa social.

Os objetos vendidos na loja (feitos com palha de carnaubeira e de taboa) são todos produzidos por comunidades quilombolas e indígenas da região. Hoje, a Palha Decor é uma das principais fontes de renda dessas comunidades.

“Eu fico muito feliz em ver o impacto positivo que a minha loja gerou. Os recursos estão possibilitando que crianças e adolescentes tenham a oportunidade de continuar seus estudos; que famílias conquistem uma moradia fixa e, até mesmo, me permitiu pagar a faculdade de medicina da minha filha, coisa que não aconteceria antes de eu empreender na Shopee”, comenta Deise.

Hoje, mais de 70% do faturamento da loja vem das vendas realizadas pela Shopee. Em 2023, Deise fez questão de destinar parte do lucro conquistado com a plataforma para uma ação social que presenteou mil crianças em situação de vulnerabilidade social.

Apoio aos vendedores

A história de sucesso de Deise não é um fato isolado. A Shopee possui mais de 3 milhões de lojistas brasileiros registrados. Inclusive, 90% dos pedidos efetuados na plataforma são de vendedores locais. Sim, os consumidores preferem comprar do país. E esse é um número que aumenta mês a mês. Assim como Deise, outros empreendedores veem na plataforma uma oportunidade de começar a empreender.

“A gente tem mais de 500 grandes marcas, como Hering e Havaianas, mas também pequenos empreendedores e histórias bem legais de pessoas que começaram seu negócio na Shopee e, hoje, estão empregando bastante gente”, comenta Felipe Lima, head de Desenvolvimento de Negócios da Shopee.

Como atua a Shopee?

O foco da empresa no Brasil é construir um ecossistema local que conecte o maior número de vendedores brasileiros ao maior número de consumidores possível por meio da plataforma — que, é bom que se frise, atua como marketplace, ou seja, um shopping virtual com milhões de lojistas.

Em março, a Shopee inaugurou seu 11º centro de distribuição, na região metropolitana de Porto Alegre. Este novo espaço permitirá aumentar em 60% a capacidade de entrega dos produtos de vendedores brasileiros na Região Sul do país.

A unidade opera no modelo cross-docking, em que as mercadorias coletadas por meio de parceiros logísticos são reorganizadas e encaminhadas aos hubs de última milha.

No total, o marketplace conta com 11 centros de distribuição e mais de 100 hubs logísticos de primeira e de última milha -- todos exclusivos para produtos de lojistas brasileiros, para potencializar a capilaridade das entregas.

Para facilitar as possibilidades de pagamentos aos brasileiros, a empresa oferece aida a carteira digital ShopeePay, que possui mais de 4 milhões de contas ativas; e o SParcelado, para parcelamento de compras com Pix ou boleto.

Um dos diferenciais da Shopee para quem quer empreender é, justamente, oferecer apoio efetivo no trabalho de escalar as vendas. Uma das principais iniciativas, nesse sentido, é o Centro de Educação do Vendedor, um portal onde o interessado encontra artigos, cursos e webinars que ajudam a melhorar seu desempenho. Mais de 200 mil empreendedores já foram capacitados em mais de 30 tipos de aulas.

“Oferecemos vários cursos na plataforma, tanto para quem está começando quanto para alguém que já é um grande empreendedor, mas está começando a vender online agora. Além da plataforma, a gente tem todo um time para ajudar essas pessoas a crescerem”, reforça Lima.

Desde o ano passado, a empresa lançou a iniciativa Shopee na Estrada, que oferece uma série de eventos por todo o país, para impulsionar cada vez mais o empreendedorismo digital.

Nestes encontros presenciais e gratuitos, os vendedores têm a oportunidade de se conectar a especialistas de diversos times da plataforma, tirando dúvidas e recebendo dicas para transformar seus objetivos em resultados.

Mergulho na cultura brasileira

Atualmente, além de 3 milhões de vendedores brasileiros, mais de 10 mil funcionários compõem a comunidade Shopee no país, que começou a tomar forma quando a marca se estabeleceu por aqui, em 2019.

Desde então, o marketplace vem ajudando marcas e empreendedores locais a se digitalizarem e terem sucesso no comércio eletrônico, contribuindo também para o desenvolvimento econômico e social.

Não seria exagero, portanto, afirmar que a Shopee é uma empresa “de brasileiro para brasileiro”. Lançada em 2015 em Singapura, no Sudeste Asiático, a plataforma tem adotado estratégias de conteúdo local com foco no engajamento com o público consumidor, incluindo a parceria com celebridades como Larissa Manoela, Barões da Pisadinha, Xuxa e É o Tchan!.

Em uma divertida campanha publicitária, os integrantes do grupo baiano — um dos mais queridos do Brasil — atuaram como embaixadores da Shopee para o Dia do Consumidor de 2024. Ou seja, um verdadeiro mergulho na cultura brasileira e que, ao mesmo tempo, faz referência à personalidade alegre da marca.

Uma Black Friday por mês

Outro pilar importante da comunidade Shopee é o próprio consumidor. “A gente oferece muitos benefícios para ele, como cupons de desconto e os de frete grátis, que são os mais usados”, exemplifica Felipe Piringer, head de Marketing.

De itens de casa, cozinha e decoração a calçados e roupas, passando por artigos de saúde e beleza, além de celulares e acessórios, entre outros produtos, o consumidor tem acesso a milhares de opções em mais de 30 categorias — providas por vendedores de todo o mundo (há, inclusive, uma seção de Lojas Oficiais com mais de 500 grandes marcas). Tudo a um clique de distância.

Chamam a atenção, também, as grandes promoções. “Na Shopee, a gente gosta de fazer quase uma Black Friday todo mês”, comenta Piringer, acrescentando que o consumidor que transita na plataforma se acostumou com esse tipo de ação.

Assim, a grande promoção de vendas do e-commerce mundial, que acontece sempre na última sexta-feira de novembro, acaba não sendo a única data relevante para o marketplace.

A Shopee realiza, mensalmente, um dia especial de vendas nas datas iguais, como o 11 de novembro, que, só em 2023, gerou a liberação de R$10 milhões em cupons de descontos (superando a própria Black Friday, com R$8 milhões).

E para citar um exemplo de sucesso recente, as vendas no Dia do Consumidor, em 15 de março (a única exceção no calendário das promoções de datas iguais da Shopee), superaram as da Black Friday de 2023 — que já tinha dobrado as vendas em relação ao ano anterior.

Relacionamento pelas redes sociais

Mais do que posicionamento de marca, o objetivo das redes sociais da Shopee é a construção de comunidade. Todo conteúdo é desenvolvido para conectar vendedores e consumidores, oferecendo a eles o que eles gostam.

Um terço dos brasileiros acessa o app da Shopee mensalmente onde, graças a uma interface simples, 95% das vendas acontecem. Sem falar nos mais de 15 milhões de seguidores que acessam os perfis da marca nas redes sociais.

“Só no Instagram, hoje, a gente tem mais de 10 milhões de seguidores, temos a Viih Tube e a Franciny Ehlke como embaixadoras digitais da marca, e muitos outros influenciadores que a gente vai fazendo parcerias ao longo dos meses”, comenta o executivo.

Live commerce

Uma das grandes apostas de crescimento da Shopee para 2024 é o Live Commerce. Em março, a Shopee atingiu um marco significativo, registrando média de mais de 200 transmissões de live commerces por dia em seu aplicativo.

Boa parte delas é organizada pelos próprios vendedores (já são mais de 100 mil habilitados na plataforma).

Lançada em 2022, a Shopee Lives é um dos recursos para o vendedor ganhar exposição, construir uma comunidade, mostrar mais detalhes e funcionalidade do seu produto, além de aumentar o tráfego de sua loja e, consequentemente, alavancar vendas. Graças à interatividade, o empreendedor pode tirar dúvidas ao vivo. Já o consumidor pode realizar a compra sem sair da live.

“Cada vez mais, a gente vê os vendedores fazendo suas lives na plataforma e os usuários acessando. É uma forma legal de engajamento, que permite ao vendedor se comunicar de uma forma diferente com seu consumidor”, observa.

Do pedido à entrega

A jornada de uma compra realizada na Shopee começa com o vendedor preparando a mercadoria assim que o pedido é confirmado. Em seguida, veículos que atuam na primeira milha ou por meio dos PUDOs (pontos de pick up/drop off) fazem a coleta dos produtos.

Os pedidos são, então, encaminhados para processamento e distribuição, passando por uma roteirização diária para otimizar o trajeto, que é monitorado, em tempo real, para garantir que a entrega seja rápida. Para viabilizar toda essa logístia, a Shopee conta com mais de 20 mil motoristas de parceiros logísticos.

Acompanhe tudo sobre:branded-content

Mais de Negócios

Empreendendo no mercado pet, ele saiu de R$ 50 mil para R$ 1,8 milhão. Agora, aposta em franquias

Ele quer chegar a 100 lojas e faturar R$ 350 milhões com produtos da Disney no Brasil

Shopee ultrapassa Amazon e se torna segundo e-commerce mais acessado do Brasil em maio; veja a lista

Por que a Cimed está disposta a pagar R$ 450 milhões pela Jequiti

Mais na Exame