Setubal e Moreira Salles fazem acordo com CVM sobre investigação

São Paulo - A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informou nesta segunda-feira que aceitou acordo proposto pelos banqueiros Roberto Setubal e Pedro Moreira Salles para extinguir um processo administrativo relacionado à união entre Itaú e Unibanco. Setubal apresentou proposta de pagamento à CVM no valor de 267,6 mil reais, "equivalente ao dobro do ganho potencial […]
 (EXAME.com)
(EXAME.com)
D
Da RedaçãoPublicado em 10/10/2010 às 03:39.

São Paulo - A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informou nesta segunda-feira que aceitou acordo proposto pelos banqueiros Roberto Setubal e Pedro Moreira Salles para extinguir um processo administrativo relacionado à união entre Itaú e Unibanco.

Setubal apresentou proposta de pagamento à CVM no valor de 267,6 mil reais, "equivalente ao dobro do ganho potencial por ele obtido nas operações questionadas".

Segundo o comunicado, Setubal foi investigado por ter adquirido 40 mil ações preferenciais de emissão da Itaúsa Investimentos S.A., então controladora do Banco Itaú, nos dias 23 e 24 de outubro de 2008, antes da divulgação do fato relevante sobre a reorganização societária que resultou na criação do Itaú Unibanco, no início de novembro daquele ano.

Moreira Salles e outros dois administradores do Unibanco, Israel Vainboim e Francisco Eduardo de Almeida Pinto, apresentaram proposta de pagamento no valor de 150 mil reais cada.

"Eles foram investigados... por terem aprovado, em 24 de outubro de 2008, o aumento do limite de recompra de ações que podiam ser adquiridas no âmbito do programa de recompra, para 40 milhões de units, quando supostamente existia a intenção em promover a reorganização societária que resultou na criação do Itaú Unibanco", acrescentou o comunicado.

"Com a aceitação pelo Colegiado dessas propostas, os processos ficarão suspensos em relação aos compromitentes e, após o cumprimento das obrigações assumidas, serão extintos em relação a eles", explicou a CVM.

As propostas de acordo foram aprovadas em reunião do colegiado da CVM realizada no dia 13 de abril.