Negócios

Ser ou Yduqs: quem leva a Laureate, noiva da vez do mercado de educação?

Caso ganhe a disputa, a Ser deve ficar em 4o lugar em número de alunos; já a Yduqs, pode tornar-se a maior do país

Sala de aula da Yduqs: companhia está na disputa pela Laureate no Brasil (Adtalem Brasil/Divulgação)

Sala de aula da Yduqs: companhia está na disputa pela Laureate no Brasil (Adtalem Brasil/Divulgação)

Mariana Desidério

Mariana Desidério

Publicado em 13 de outubro de 2020 às 11h32.

Última atualização em 13 de outubro de 2020 às 11h50.

A empresa de educação Laureate, que no Brasil é dona das faculdades Anhembi Morumbi e FMU, está prestes a definir a próxima movimentação de placas tectônicas no mercado de educação brasileiro.

A companhia recebeu uma proposta de compra da Ser Educacional, grupo forte no Nordeste, que fez uma oferta pela operação em setembro. Pelo acordo, a Laureate teria até hoje para receber propostas de terceiros (“go-shop”) para sua aquisição. A transação é avaliada em 4 bilhões de reais.

A proposta da Ser é de 1,7 bilhão de reais em dinheiro, 623 milhões de reais em assunção de dívida e mais a entrega de ações que serão equivalentes a 44% da companhia fundada pelo empresário Janguiê Diniz.

A oferta foi divulgada ao mercado no dia 13 de setembro. No dia seguinte, a Yduqs entrou oficialmente na briga. Divulgou comunicado no qual dizia acreditar que tem condições de apresentar uma proposta mais atraente do que a da Ser pelos ativos da Laureate. A Ânima também está no páreo.

Quem levar a noiva vai abocanhar cerca de 267 mil alunos. Um ativo escasso em um mercado de educação que tem tido problemas para aumentar o número de alunos em cursos presenciais – os mais caros e rentáveis – em meio à pandemia do novo coronavírus.

“Hoje, se você olhar os grandes grupos de educação, o crescimento da base de alunos presencial vem por aquisição. O crescimento orgânico no presencial está muito mais difícil por conta do cenário do setor”, afirma Daniel Infante, diretor da consultoria Educa Insights.

Segundo Infante, dentre as empresas que disputam a Laureate, a Ser é que tem menor risco de ter a operação barrada pelo Cade devido à concentração de mercado. “Em termos de concentração de mercado, a Ser é que tem menos sobreposição com a Laureate, com menor risco de concentração ou de necessidade alguma necessidade de ‘remédio’ como a abdicação de algum mercado”, afirma.

Contudo, em termos financeiros, a Yduqs pode estar mais preparada para ganhar o jogo. “A mais preparada em termos de estrutura de capital para a aquisição seria a Yduqs e não a Ser. A alavancagem da Ser para a aquisição subiria muito, para cerca de seis vezes, até por conta do tamanho de sua geração de caixa. A alavancagem da Yduqs também aumentaria bastante, mas não tanto, ficaria mais perto de 5 vezes”, afirma Marco Saravalle, estrategista da SaraInvest.

Caso a Ser ganhe a disputa, deve sair da oitava posição em número de alunos para a quarta posição. Já a Yduqs, se levar a Laureate, pode desbancar a Cogna do posto de maior em número de alunos e tornar-se a maior empresa de educação do país.

Acompanhe tudo sobre:EducaçãoLaureateSer EducacionalYduqs / Estácio

Mais de Negócios

40 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Ele cansou de trabalhar em telecom. Agora, faz mais de R$ 1 mi com franquia de serviços automotivos

“É função dos empresários iniciar um novo RS”, diz CEO da maior produtora de biodiesel do país

Na Prosegur, os candidatos são avaliados pela simpática Rose, a chatbot do grupo

Mais na Exame