Negócios

Rossi espera retomar lançamentos neste trimestre

Construtora incorporadora fechou os três primeiros meses vendendo estoques diante de seu foco em rentabilidade

Heitor Cantergiani, presidente da Rossi Residencial, na obra do edifício Brooklin to Live, na rua professor José Oiticica, no bairro do Brooklin (Fabiano Accorsi/EXAME)

Heitor Cantergiani, presidente da Rossi Residencial, na obra do edifício Brooklin to Live, na rua professor José Oiticica, no bairro do Brooklin (Fabiano Accorsi/EXAME)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de maio de 2013 às 11h30.

São Paulo - A construtora e incorporadora Rossi Residencial espera retomar os lançamentos de empreendimentos imobiliários neste trimestre, após ter encerrado os três primeiros meses vendendo estoques diante de seu foco em rentabilidade.

"Não estavam previstos lançamentos no primeiro trimestre e a partir do segundo devemos voltar a ter lançamentos", afirmou o diretor comercial da empresa, Rodrigo Martins, em teleconferência com analistas nesta quarta-feira.

A empresa já havia informado em março que não tinha feito lançamentos no primeiro trimestre em meio a uma estratégia de recuperação de resultados.

Nos três primeiros meses do ano, a Rossi teve prejuízo líquido de 9,97 milhões de reais, revertendo o lucro líquido de 62,56 milhões de reais um ano antes, com queda na receita e vendas contratadas.

Apesar disso, a geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda), de 113 milhões, veio acima do esperado pelo mercado.

Venda de terrenos

Com a nova estratégia da empresa, a Rossi efetuou vendas de terrenos no primeiro trimestre que resultaram em um impacto positivo de 25 milhões de reais em seu caixa no período, com a expectativa de que mais vendas ocorram durante o ano.

"Dentro do nosso planejamento, a gente conta com aproximadamente 100 milhões de reais de impacto (no caixa) ao longo de 2013", afirmou o diretor superintendente da empresa, Leonardo Nogueira, na teleconferência.

Nos três primeiros meses do ano, a venda de terrenos da Rossi totalizou 97 milhões de reais. Apesar do efeito positivo, os recursos disponíveis no caixa da empresa caíram 22,4 por cento na comparação com igual período de 2012, para 1,315 bilhão de reais.

Às 11h10, as ações da Rossi tinham alta de 5,33 por cento, a 3,36 reais, enquanto o Ibovespa mostrava valorização de 0,41 por cento.

Acompanhe tudo sobre:Construção civilEmpresasIndústriaIndústrias em geralRossi

Mais de Negócios

De pequena lanchonete à franquia bilionária: o que o sucesso do McDonald’s ensina aos empreendedores

Desenrola Pequenos Negócios renegocia R$ 1,25 bilhão até 12 de junho

Executivos veem a inteligência artificial como um “divisor de águas”

Para onde vai o lixo que foi multiplicado pelas enchentes no Rio Grande do Sul?

Mais na Exame