Acompanhe:
seloNegócios

Renault discute condições para união com a Fiat Chrysler

Conselho de administração da montadora francesa deve exigir manutenção de empregos e fábricas e de posição ativa na gestão

Modo escuro

Continua após a publicidade
FIAT E RENAULT: nova montadora teria ações listadas nas Bolsas de Nova York, Milão e Paris / REUTERS/Eric Gaillard/File Photo

FIAT E RENAULT: nova montadora teria ações listadas nas Bolsas de Nova York, Milão e Paris / REUTERS/Eric Gaillard/File Photo

R
Redação Exame

Publicado em 4 de junho de 2019 às, 06h28.

Última atualização em 4 de junho de 2019 às, 06h51.

Investidores acompanham com atenção a reunião prevista para esta terça-feira, 04, no conselho de administração da montadora Renault, na França, sobre a proposta de fusão feita pela Fiat Chrysler Automobiles (FCA). No encontro, a companhia francesa deve definir como os próximos passos das negociações para uma possível união com a concorrente ítalo-americana.

A proposta da FCA prevê a criação da terceira maior montadora do mundo, com faturamento estimado em 170 bilhões de euros e vendas anuais de 8,7 milhões de veículos. A combinação das operações também traria avanço no desenvolvimento de tecnologias de eletrificação – em que a Renault é uma das protagonistas globais – e direção autônoma. A nova montadora teria ações listadas nas Bolsas de Nova York, Milão e Paris.

Apesar dos números atraentes, o acordo deve enfrentar diversos obstáculos, começando pelos acionistas das empresas envolvidas. O governo francês detém 15% das ações da Renault e há o temor de que fábricas sejam fechadas no país. A pauta deve ser um dos destaques das discussões desse encontro, com forte peso em uma eventual contraproposta. Sindicatos de trabalhadores têm pressionado o governo local, o que pode prolongar as negociações.

Analistas avaliam a proposta financeira da FCA como “justa”, mas sobram dúvidas sobre os termos do acordo e como ficariam as operações. Além disso, a Renault está para completar uma aliança global de 20 anos com a montadora japonesa Nissan – que também inclui a Mitsubishi. Ainda é nebuloso onde ficaria a parceria com as marcas japonesas. A inclusão da aliança no negócio poderia gerar vendas anuais superiores a 15 milhões de unidades.

Um novo processo de fusão parece fundamental para a FCA, que vem se preparando há mais de dez anos para liderar este movimento e ganhar não só escala, mas sustentabilidade dos negócios no longo prazo em uma indústria em forte transformação. Mas dada a complexidade da proposta, a expectativa é que ainda a reunião de hoje seja apenas o primeiro capítulo de uma longa novela.

Últimas Notícias

Ver mais
Como os carros voadores podem ser na vida real? Veja vídeo
Tecnologia

Como os carros voadores podem ser na vida real? Veja vídeo

Há 2 dias

Praia, cidade ou montanha: três carros ideias para a sua próxima viagem
Casual

Praia, cidade ou montanha: três carros ideias para a sua próxima viagem

Há 4 dias

Asfalto ou off road: confira três carros ideias para a sua próxima viagem
seloRevista Exame

Asfalto ou off road: confira três carros ideias para a sua próxima viagem

Há uma semana

Como o Grupo Stellantis, dono de Fiat e Jeep, quadruplicou o volume de vendas digitais
seloRevista Exame

Como o Grupo Stellantis, dono de Fiat e Jeep, quadruplicou o volume de vendas digitais

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais