Negócios

RBS reverte lucro e tem prejuízo de 469 mi de libras no 3º tri

O RBS disse que levará mais tempo que o planejado para atingir suas metas de lucratividade de 2019

RBS: o banco britânico teve vários gastos extraordinários (Peter Macdiarmid/Getty Images/Getty Images)

RBS: o banco britânico teve vários gastos extraordinários (Peter Macdiarmid/Getty Images/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 28 de outubro de 2016 às 10h23.

Londres - O Royal Bank of Scotland (RBS) registrou prejuízo de 469 milhões de libras (US$ 570,3 milhões) no terceiro trimestre deste ano, após ter lucro de 960 milhões de libras em igual período do ano passado.

O banco britânico teve vários gastos extraordinários, incluindo uma provisão legal de 425 milhões de libras, em grande medida relacionado a acordos com as autoridades dos Estados Unidos por causa da venda anterior de títulos lastreados em hipotecas.

Por volta das 9h30 (de Brasília), a ação do RBS recuava 1,17% na Bolsa de Londres.

O governo do Reino Unido controla 73% do banco. O RBS disse que levará mais tempo que o planejado para atingir suas metas de lucratividade de 2019 e que não está claro quando conseguirá voltar a pagar dividendos.

A receita do banco subiu levemente no terceiro trimestre, para 3,3 bilhões de libras, de 3,1 bilhões de libras em igual período do ano passado. A companhia enfrenta vários desafios, como um ambiente de taxas de juros mais baixas após o voto do Reino Unido pela saída da União Europeia e os processos nos EUA.

Além disso, o RBS tenta se desfazer de 300 agências para atender as regras da UE sobre ajuda estatal, após um pacote de ajuda de 45,5 bilhões de libras do governo britânico em 2008.

Em fevereiro, os executivos do RBS apresentarão um novo plano para o banco, que deve conter mais corte de empregos e uma redução maior no balanço da empresa.

Fonte: Dow Jones Newswires.

Acompanhe tudo sobre:BancosPrejuízoRoyal Bank of Scotland

Mais de Negócios

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

Mais na Exame