Negócios

QI Tech passa a valer US$ 1 bi e se torna 26º 'unicórnio' brasileiro

É a segunda vez em dois anos que uma empresa nacional chega a tal valor devido à seca do capital de risco mundialmente, puxada pela alta de juros nos Estados Unidos

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 27 de abril de 2024 às 08h42.

A startup de soluções financeiras QI Tech recebeu uma extensão do aporte de R$ 1 bilhão recebido em outubro do ano passado, o que levou o negócio ao status de "unicórnio", como são chamadas as empresas que valem mais de US$ 1 bilhão. A QI Tech tornou-se a 26ª startup brasileira a alcançar esse nível de valor de mercado. É a segunda vez em dois anos que uma empresa nacional chega a tal valor, devido à seca do capital de risco mundialmente, puxada pela alta de juros nos Estados Unidos.

O novo aporte recebido pela startup é de US$ 50 milhões (R$ 260 milhões) e foi liderado pelos mesmo investidores da última rodada, General Atlantic e Across Capital. A nova captação acontece depois de a QI Tech ter comprado, por valor não revelado, a plataforma de investimentos Singulare. A operação adicionou cerca de R$ 100 bilhões de ativos sob gestão ao negócio.

A startup opera oferecendo serviços de bancarização para diferentes segmentos. Ela fornece a tecnologia do aplicativo Vivo Money, por exemplo, uma carteira digital da operadora de telefonia móvel que utiliza a infraestrutura tecnológica da QI Tech para oferecer recarga de créditos de celular, cashback (dinheiro de volta em compras), pagar boletos e fazer transferência via Pix. Demais soluções vendidas incluem proteções antifraude e crédito. A empresa tem clientes como 99, QuintoAndar e Shopee.

Símbolo de uma mudança no perfil buscado por investidores de capital de risco, a empresa não integra o grupo de startups que buscam lucratividade a longo prazo. A QI Tech foi uma das primeiras startups a conseguir rating nacional A+ da agência de classificação de risco Fitch e opera como sociedade direta de crédito, além de ter licença de distribuição de ativos mobiliários. A startup diz ser lucrativa desde o primeiro ano de operação.

Outro negócio que atingiu o patamar de valor de US$ 1 bilhão no último ano foi a Pismo, comprada pela Visa. No entanto, a aquisição foi integral, diferentemente do que acontece com os unicórnios, que vendem parcelas do negócio aos investidores a cada aporte. Em 2022, apenas duas startups do Brasil passaram a valer US$ 1 bilhão, a Dock (de tecnologia para serviços financeiros) e a Neon (instituição financeira de pagamentos).

Acompanhe tudo sobre:Startups

Mais de Negócios

Shopee ultrapassa Amazon e se torna segundo e-commerce mais acessado do Brasil em maio; veja a lista

Por que a Cimed está disposta a pagar R$ 450 milhões pela Jequiti

Com solução para quem enfrenta o câncer, a Oncoclínicas&Co é eleita uma das Melhores do ESG

Empresa do Paraná que ajuda na cobrança de dívidas compra startup de Natal e mira R$ 100 milhões

Mais na Exame