Negócios

Perspectiva de demanda por aço na UE em 2013 continua fraca

A Eurofer afirmou em comunicado que a demanda caiu no primeiro trimestre do ano apesar de um movimento moderado de recomposição de estoques


	A Eurofer estima agora que o consumo aparente de aço volte a crescer apenas a partir do quarto trimestre, acumulando queda de 2 % em todo o ano
 (Sean Gallup/Getty Images)

A Eurofer estima agora que o consumo aparente de aço volte a crescer apenas a partir do quarto trimestre, acumulando queda de 2 % em todo o ano (Sean Gallup/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 3 de maio de 2013 às 16h57.

Bruxelas - A demanda europeia por aço vai cair mais do que o esperado este ano diante da fraqueza nos setores automotivo e de construção nos primeiros meses do ano, afirmou a entidade que representa o setor na região, Eurofer, nesta sexta-feira.

A Eurofer afirmou em comunicado que a demanda caiu no primeiro trimestre do ano apesar de um movimento moderado de recomposição de estoques.

A entidade estima agora que o consumo aparente de aço, que leva em consideração mudanças em níveis de estoques, volte a crescer apenas a partir do quarto trimestre, acumulando queda de 2 % em todo o ano.

Na previsão anterior, divulgada em fevereiro, a Eurofer estimava que o crescimento retornaria no terceiro trimestre, o que faria o ano registrar recuo de 0,7 %.

O entidade afirmou que estima uma retomada ligeiramente mais intensa no próximo ano, de 3,2 %, ante a perspectiva de 3 % divulgada em fevereiro.

As importações também cresceram acentuadamente, o que significa que as usinas siderúrgicas europeias perderam participação de mercado.

"Enquanto a produção de aço da China não for melhor ajustada para a desaceleração da demanda doméstica, uma distorção nos fluxos globais de comércio será o resultado o que, inevitavelmente, levará a aumento da pressão de importação no mercado de aço da União Europeia", disse o diretor geral da Eurofer, Gordon Moffat.

O consumo aparente de aço da UE caiu 9,6 % em 2012.

O consumo real, que reflete a demanda dos usuários finais, caiu 4,8 % no ano passado e a expectativa é de queda de 3,1 % em 2013 e alta de 1,2 % em 2014. O crescimento somente virá a partir do primeiro trimestre do próximo ano.

Acompanhe tudo sobre:acoÁsiaChinaEuropaUnião Europeia

Mais de Negócios

Justiça aprova plano de recuperação extrajudicial da Casas Bahia

De pequena lanchonete à franquia bilionária: o que o sucesso do McDonald’s ensina aos empreendedores

Desenrola Pequenos Negócios renegocia R$ 1,25 bilhão até 12 de junho

Executivos veem a inteligência artificial como um “divisor de águas”

Mais na Exame