Negócios

Pasadena é gota no oceano, diz conselheiro da Amec

Recentemente, líder dos minoritários entrou com reclamação na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) contra a Petrobras


	Refinaria em Pasadena: presidente da Associação de Investidores no Mercado de Capitais não fazia parte do conselho da Petrobras quando compra de Pasadena foi aprovada
 (Agência Petrobras / Divulgação)

Refinaria em Pasadena: presidente da Associação de Investidores no Mercado de Capitais não fazia parte do conselho da Petrobras quando compra de Pasadena foi aprovada (Agência Petrobras / Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 6 de maio de 2014 às 17h30.

São Paulo - O presidente da Associação de Investidores no Mercado de Capitais (Amec), Mauro Cunha, que é conselheiro da Petrobras representando os minoritários, disse nesta terça-feira, 6, que o caso Pasadena é apenas "um gota no oceano" em relação ao que vem acontecendo com as ações da estatal.

"Acho que se está perdendo muito tempo com Pasadena, quando vemos o que acontece com as ações da Petrobras. Pasadena é uma gota no oceano. É bom para a discussão política e frágil do ponto de vista técnico. Ele (o prejuízo que a estatal teve com Pasadena) é incapaz de criar o prejuízo que os acionistas tiveram no período", disse.

Cunha não fazia parte do conselho da companhia à época em que a compra de Pasadena foi aprovada.

Recentemente, o líder dos minoritários entrou com reclamação na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) contra a Petrobras para exigir que a empresa tornasse pública a sua decisão de não aprovar as demonstrações financeiras da estatal.

"No balanço a companhia sumarizou o meu voto e a CVM ainda não se pronunciou", disse.

Acompanhe tudo sobre:Acionistasacionistas-minoritariosCapitalização da PetrobrasCaso PasadenaCombustíveisCVMEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEstatais brasileirasIndústria do petróleoPETR4PetrobrasPetróleo

Mais de Negócios

Empreendendo no mercado pet, ele saiu de R$ 50 mil para R$ 1,8 milhão. Agora, aposta em franquias

Ele quer chegar a 100 lojas e faturar R$ 350 milhões com produtos da Disney no Brasil

Shopee ultrapassa Amazon e se torna segundo e-commerce mais acessado do Brasil em maio; veja a lista

Por que a Cimed está disposta a pagar R$ 450 milhões pela Jequiti

Mais na Exame