• BVSP 118.811,74 pts +1,0%
  • USD R$ 5,7339 +0,0002
  • EUR R$ 6,8235 -0,0069
  • ABEV3 R$ 15,57 +1,37%
  • BBAS3 R$ 29,49 +1,03%
  • BBDC4 R$ 25,63 +1,71%
  • BRFS3 R$ 24,48 +2,00%
  • BRKM3 R$ 46,83 +7,98%
  • BRML3 R$ 9,82 -1,21%
  • BTOW3 R$ 63,1 +0,73%
  • CSAN3 R$ 89,85 +0,74%
  • ELET3 R$ 34,76 -1,95%
  • EMBR3 R$ 16 +0,25%
  • Petróleo US$ 63,40 +0,33%
  • Ouro US$ 1.735,10 +0,14%
  • Prata US$ 24,92 +0,36%
  • Platina US$ 1.175,20 +0,03%

Oi recebe aprovação de credores para vender operação de telefonia móvel

Mudanças no plano de recuperação judicial vão permitir à empresa se desfazer da maior parte dos seus ativos e se dedicar à fibra óptica

Depois de mais de 12 horas de discussões e intervalos para descanso, a assembleia geral de credores da Oi terminou no fim da noite desta terça-feira, 8, com a aprovação das alterações ao plano de recuperação judicial. A maioria dos credores deu o seu aval para que a companhia possa executar o plano de vender a maior parte dos seus ativos, incluindo a operação de telefonia celular, e se concentre no negócio de fibra óptica.

A aprovação das mudanças ao plano pode abrir caminho para nova valorização das ações da Oi. A expectativa positiva pelo aval dos credores levou as ações ordinárias a subir 1,09%, enquanto as preferenciais dispararam 5,96%.

O objetivo do novo plano é arrecadar cerca de 22 bilhões de reais, que serão utilizados para o pagamento de credores, abatendo assim parte da dívida, que era de 26,1 bilhões de reais ao fim do segundo trimestre, segundo o resultado divulgado mais recente.

O plano que foi submetido à votação prevê a divisão da companhia em cinco áreas de negócios, das quais quatro serão vendidas integralmente por meio de leilões nos próximos meses. A divisão mais conhecida é a de telefonia móvel.

O candidato favorito a assumir a operação móvel da Oi é o consórcio formado por suas principais concorrentes: Claro, TIM e Vivo (Telefônica), que já formalizaram uma proposta de 16,5 bilhões de reais. Será a oferta inicial para o leilão previsto para dezembro. O consórcio terá ainda o direito de cobrir eventuais melhores ofertas.

As outras áreas colocadas à venda abrigam as torres, os data centers e a operação de TV. A Oi pretende manter apenas o seu negócio em fibra óptica, na empresa denominada de InfraCo. O objetivo é se desfazer de apenas uma parte da área por 6,5 bilhões de reais, além de 5 bilhões de reais que serviriam para investimentos nessa operação.

Representantes do Banco do Brasil, da Caixa e do Itaú Unibanco, que estão entre os principais credores, buscaram um adiamento da assembleia por 30 dias para negociar melhores condições. Conseguiram a redução dos descontos previstos de 60% para 55% da dívida.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.