Negócios

Odebrecht troca de presidente às vésperas de assembleia decisiva

A decisão foi tomada às vésperas de uma assembleia de credores para discutir o plano de recuperação judicial do grupo

Odebrecht: A companhia busca elaborar planos para a reestruturação de 55 bilhões de reais em dívidas. (Guadalupe Pardo/Reuters)

Odebrecht: A companhia busca elaborar planos para a reestruturação de 55 bilhões de reais em dívidas. (Guadalupe Pardo/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 16 de dezembro de 2019 às 17h40.

Última atualização em 16 de dezembro de 2019 às 17h47.

A Odebrecht troca o comando em um momento crucial para a empresa. O atual presidente do grupo Luciano Guidolin será substituído por Ruy Sampaio, atualmente presidente do conselho de administração. A companhia tem uma assembleia de credores sobre a recuperação judicial agendada para quinta-feira, dia 19.

Guidolin deverá se manter como membro de conselhos de administração de empresas operacionais controladas pelo Grupo Odebrecht. Já o papel de presidente do conselho de administração passará para José Mauro Carneiro da Cunha. Será a primeira vez que o conselho será presidido por um membro independente.

O anúncio foi feito por Emílio Odebrecht, mandatário da Kieppe, holding familiar controladora da Odebrecht, após uma reunião da empresa em Salvador, BA.

Momento decisivo

A decisão foi tomada às vésperas de uma assembleia de credores para discutir o plano de recuperação judicial do grupo. De acordo com Emílio Odebrecht, as negociações com os principais credores do plano de recuperação judicial da Odebrecht e de outras 19 holdings avançaram.

"Temos, portanto, a legítima expectativa de que a aprovação do plano ocorra nas próximas semanas", diz o empresário. Com a aprovação do plano, a companhia espera concluir "um ciclo fundamental para a sobrevivência do Grupo Odebrecht", diz o empresário. A companhia busca elaborar planos para a reestruturação de 55 bilhões de reais em dívidas.

Em junho, cerca de três anos após ter sido atingida pelos efeitos de uma profunda recessão no Brasil e das investigações da operação Lava Jato, a Odebrecht formalizou seu pedido de recuperação judicial, num dos maiores processos do tipo na história no país. No total, o conglomerado tem dívidas de 98,5 bilhões de reais, parte delas passíveis de reestruturação e outras lastradas em ações da Braskem.

A Odebrecht ainda não conseguiu desenhar um plano a ser aceito pelos credores. Em outubro, os credores da Odebrecht, principalmente bancos, apresentaram objeções ao plano de recuperação. A maior parte dos bancos argumentou que o plano era muito vago, sem um indicador de desconto sobre o valor nominal da dívida nem prazo para recebimento.

Já o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) apresentou à Justiça uma contestação ao plano apresentado anteriormente, por considerá-lo incapaz de salvar a empresa do risco de uma eventual falência e pediu que um novo plano seja elaborado.

A Caixa Econômica Federal chegou a pedir a falência do grupo, um dos principais alvos da operação Lava Jato.

Enquanto a empresa enfrenta o descontentamento dos bancos, também lida com a tentativa de Marcelo odebrecht, filho de Emílio e preso na Operação Lava Jato, de voltar a conduzir os negócios do grupo.

Marcelo visitou a empresa no meio de setembro, quando sua pena foi alterada de prisão domiciliar para regime semiaberto. Ele escreveu, na ocasião, uma carta para a família, dizendo que estava disposto a voltar ao grupo e responsabilizou seus sucessores pelas dificuldades econômicas do grupo.

Acompanhe tudo sobre:Marcelo OdebrechtNovonor (ex-Odebrecht)Presidentes de empresaRecuperações judiciais

Mais de Negócios

40 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Ele cansou de trabalhar em telecom. Agora, faz mais de R$ 1 mi com franquia de serviços automotivos

“É função dos empresários iniciar um novo RS”, diz CEO da maior produtora de biodiesel do país

Na Prosegur, os candidatos são avaliados pela simpática Rose, a chatbot do grupo

Mais na Exame