Acompanhe:
seloNegócios

Odebrecht e Goldfarb são culpadas por trabalhadores em condições degradantes

Empresas aceitaram acordo com o Ministério Público e assumiram a responsabilidade por uma empresa contratada por elas manter trabalhadores em condições degradantes

Modo escuro

Continua após a publicidade
Obras da Odebrecht: empresas irão pargar R$ 400 reais a cada trabalhador (Divulgação/Odebrecht)

Obras da Odebrecht: empresas irão pargar R$ 400 reais a cada trabalhador (Divulgação/Odebrecht)

A
Alex Rodrigues

Publicado em 24 de fevereiro de 2011 às, 18h23.

Brasília - As construtoras Odebrecht e Goldfarb vão ter que assumir parte da responsabilidade e ressarcir um grupo de trabalhadores submetidos à condições degradantes pela empreiteira FKRJ Construções, contratada por elas.

Segundo o Ministério Público do Trabalho, após a prisão do dono da empreiteira, ontem (23), em Campinas (SP), as duas empresas aceitaram assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) se comprometendo a resolver a situação dos trabalhadores. Ao todo, foram encontrados 41 operários em situação de risco.

O TAC proposto pelo Ministério Público estabelece que, além de arcar com os custos para que os trabalhadores regressem ao seu estado de origem, o Maranhão, a Goldfarb também terá que pagar R$ 400 a cada trabalhador como uma espécie de reparação de danos. Além disso, no caso dos funcionários que preferirem permanecer em Campinas, a construtora se comprometeu ou a contratá-los imediatamente ou então a viabilizar que sejam recrutados por alguma das empresas que lhe prestam serviços, se responsabilizando pela moradia e alimentação fornecida ao grupo.

Já a Odebrecht teve de se comprometer a regularizar as condições do alojamento onde estavam 14 trabalhadores contratados pela FKRJ, dos quais dez trabalhavam em um empreendimento da construtora no parque Itajaí, também em Campinas. Segundo o Ministério Público, no local não havia camas, colchões e nem bebedouros.

A Odebrecht também terá que fornecer alimentação e continuar pagando os salários dos trabalhadores até que a situação da FKRJ seja regularizada. Se descumprir o TAC, a Odebrecht terá que pagar multas de R$ 50 mil por item infringido.

Conforme os agentes federais apuraram, os migrantes saíram do Maranhão com destino ao estado de São Paulo atraídos pela promessa de salários equivalentes a R$ 2 mil, o que não se concretizou. O grupo chegou a ser provisoriamente instalado em hotéis pagos pela própria Goldfarb. A construtora também terá que se responsabilizar pelo pagamento dos salários dos funcionários com quem a FKRJ ainda tem contrato até que a empreiteira possa assumir novamente os encargos trabalhistas.

Hoje (24), em Brasília, o procurador-geral do Trabalho, Otavio Brito Lopes, disse que o Maranhão é de onde sai a maioria dos trabalhadores para outros estados em condições análogas à escravidão.

A Agência Brasil entrou em contato com as duas empresas. Por meio de sua assessoria, a Odebrecht disse que não comentaria o assunto. Já a Goldfarb não respondeu até a publicação desta reportagem.

Últimas Notícias

Ver mais
Biomm vai trazer similar do Ozempic ao Brasil; ação dispara 38%
Exame IN

Biomm vai trazer similar do Ozempic ao Brasil; ação dispara 38%

Há 9 horas

Quem poderia levar os hospitais da Dasa? O Itaú BBA tem seu palpite
Exame IN

Quem poderia levar os hospitais da Dasa? O Itaú BBA tem seu palpite

Há 17 horas

Justiça reconduz presidente do Conselho de Administração da Petrobras
Brasil

Justiça reconduz presidente do Conselho de Administração da Petrobras

Há 20 horas

Obras de proteção costeira nem sempre evitam a erosão marinha
ESG

Obras de proteção costeira nem sempre evitam a erosão marinha

Há 20 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais