Acompanhe:
seloNegócios

O que Bradesco, BTG, Safra e Santander ganhariam com o Panamericano

Para consultor, há dois grupos de interessados, os que ganham com sinergias e os que estão interessados em um novo mercado

Modo escuro

Continua após a publicidade
Panamericano: o valor que será pedido pelo Panamericano ainda é incerto e não há favoritos (Divulgação)

Panamericano: o valor que será pedido pelo Panamericano ainda é incerto e não há favoritos (Divulgação)

B
Beatriz Olivon

Publicado em 28 de janeiro de 2011 às, 12h02.

São Paulo – O Panamericano é um dos últimos ativos disponíveis no setor financeiro, o que explica o grande interesse que a instituição do Grupo Silvio Santos vem despertando entre os bancos. Dentre os competidores interessados, os rumores de mercado destacam BTG, Bradesco, Santander e Safra. Os bancos entrariam no negócio por motivos diferentes, segundo Juan Pérez Ferrés, ex-economista-chefe da SDE.

Os quatro bancos podem ser divididos em dois grupos, segundo Ferrés. Santander e Bradesco estão no grupo interessado nas sinergias, enquanto BTG e Safra veem no Panamericano a possibilidade de entrar em um novo mercado. “Se o passivo for muito incerto, o André Esteves (fundador do BTG Pactual) é o favorito”, diz Ferrés. Se o BTG tem como vantagem seu amplo apetite a risco, os bancos maiores têm maior fôlego para apresentar uma oferta maior pelo banco – algo que pode ser interessante ao Grupo Silvio Santos, que ainda precisa pagar os 2,5 bilhões de reais que tomou emprestados do Fundo Garantidor de Crédito para cobrir o rombo no Panamericano.

Tanto Santander, quanto Bradesco já atuam no varejo e com a classe C. O Bradesco, por exemplo, já comprou o Ibi, da varejista C&A. O Santander, por sua vez, herdou as contas do Banespa. Além das sinergias das operações, o Panamericano representa para os bancos uma oportunidade de acessar clientes dos concorrentes, uma vez que muitos clientes do Panamericano buscam crédito no banco, mas não têm conta corrente nele e sim em instituições maiores.

Gestão de recursos  

O BTG, apesar de ser focado em gestão de ativos e investimentos e, portanto, não ter sinergias com o Panamericano, aposta na capacidade de gerir funding, isto é, de levantar recursos no mercado – que é um problema recorrente nos bancos médios. “O ponto principal dessa discussão é que o BTG teria uma capacidade de funding melhor que dos bancos médios”, diz Ferrés.  Além disso, uma possibilidade para o BTG seria rentabilizar a instituição bancária, para depois revender sua participação.


O Safra, por sua vez, está muito voltado ao atendimento corporativo, e entraria no Panamericano mais pela oportunidade de participar de um banco de varejo do que para ganhar sinergias, segundo Ferrés. O banco, que mantém fama de conservador, poderia optar por deixar de ganhar rentabilidade para se reposicionar de forma mais equilibrada, combinando empresas e varejo.

Além das diferenças entre os objetivos dos quatro bancos com a operação, a instituição financeira que comprar uma participação no Panamericano automaticamente torna-se sócia da Caixa Econômica Federal, que tem participação de 49% no banco. Aparentemente é mais fácil imaginar Santander e Bradesco nessa parceria do que BTG ou Safra. O Bradesco, por exemplo, já se associou à Caixa em outros negócios, como na Elo, credenciadora de cartões. Especula-se no mercado, porém, que o Santander teria fôlego para pagar mais que o Bradesco pela fatia do banco de Silvio Santos, já que a operação brasileira do banco espanhol ainda estaria capitalizada pelo bilionário IPO que realizou.

Por enquanto, o valor que será pedido pelo Panamericano ainda é incerto e não há favoritos, segundo Ferrés. “Vai haver desistências no meio do caminho”, diz Ferrés. Apesar do rombo (que começou em 2,5 bilhões de reais, mas pode chegar a 4 bilhões de reais) o banco se tornou mais acessível para possíveis compradores, porque o desembolso imediato não é tão grande, e o crédito com o fundo garantidor é a longo prazo, segundo o consultor. Os quatro bancos não comentam os rumores sobre as negociações.

Últimas Notícias

Ver mais
Caixa vê cenário complexo para captação em 2025 e quer buscar novas fontes
seloMercado imobiliário

Caixa vê cenário complexo para captação em 2025 e quer buscar novas fontes

Há 17 horas

PagBank vê origem integrada como vantagem contra absorção de maquininhas por bancos
seloMercados

PagBank vê origem integrada como vantagem contra absorção de maquininhas por bancos

Há 18 horas

2024 é o ano do Ibovespa? BTG Pactual acredita que sim – e diz que ações brasileiras estão baratas
seloMercados

2024 é o ano do Ibovespa? BTG Pactual acredita que sim – e diz que ações brasileiras estão baratas

Há 21 horas

Crédito puxa BB, Caixa e Itaú, e lucro dos 5 maiores bancos vai a R$ 107,5 bi em 2023
seloMercados

Crédito puxa BB, Caixa e Itaú, e lucro dos 5 maiores bancos vai a R$ 107,5 bi em 2023

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais