Negócios

Morre Samuel Barata, controlador do grupo Drogaria São Paulo e Pacheco, aos 93 anos

A causa da morte não foi divulgada. Barata era acionista e ex-presidente do Conselho Administrativo

Drogaria São Paulo: morre empresário controlador da companhia (Divulgação/Divulgação)

Drogaria São Paulo: morre empresário controlador da companhia (Divulgação/Divulgação)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 24 de abril de 2024 às 12h19.

O empresário Samuel Barata, controlador do grupo Drogaria São Paulo e Pacheco (DPSP), faleceu aos 93 anos na segunda-feira, 22, no Rio de Janeiro, informou a companhia em nota. Barata era acionista e ex-presidente do Conselho Administrativo. A causa da morte não foi divulgada.

O grupo DPSP destacou em nota que ele foi responsável por "revolucionar o varejo farmacêutico fluminense" e transformar a empresa em referência no Estado. Foi sob sua gestão que a rede se tornou a quarta maior do País, aponta o grupo, que ainda afirma que o empresário tinha uma "visão empreendedora que tinha como objetivo transformar o setor".

Samuel Barata adquiriu a marca Drogarias Pacheco na década de 1970. Em 2011, Barata participou da união da Drogarias Pacheco com a Drogaria São Paulo, movimento que deu origem ao grupo DPSP atualmente a segunda maior rede de farmácias do Brasil.

O grupo está atrás apenas da Raia Drogasil, de acordo com levantamento da Associação Brasileira das Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma).

Segundo a Forbes, o empresário apareceu na lista de bilionários da revista em 2023, ocupando a 74ª posição, com patrimônio estimado na época em R$ 5 bilhões. A origem da fortuna são os negócios do grupo DPSP.

Em dezembro de 2023, o grupo contava com cerca de 1,5 mil lojas em 10 Estados e faturamento anual de R$ 14 bilhões, o que representa quase 9% do mercado.

Acompanhe tudo sobre:Drogaria São Paulo

Mais de Negócios

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

Mais na Exame