Negócios

Moody's sobe perspectiva da Bovespa, Itaúsa, BNDESPar e outros

As perspectivas de rating para Itaúsa, BM&FBovespa, BNDESPar, banco BBM e Daycoval foram revisadas de negativas para estáveis

Bovespa: revisão veio na esteira da mudança de perspectiva da nota do Brasil (./Divulgação)

Bovespa: revisão veio na esteira da mudança de perspectiva da nota do Brasil (./Divulgação)

R

Reuters

Publicado em 17 de março de 2017 às 08h49.

Última atualização em 17 de março de 2017 às 08h54.

São Paulo - A agência de classificação de risco Moody's elevou a perspectiva de rating para BM&FBovespa e 30 bancos brasileiros, incluindo Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco, Santander e BTG Pactual, para estável ante negativa.

A revisão sucede a alteração da perspectiva do rating soberano do Brasil, atualmente em Ba2, de negativo para estável, anunciada na quarta-feira.

"A qualidade do crédito soberano pode afetar diretamente o crédito de outros emissores domiciliados no país e, de forma mais geral, tende a estar associada com as tendências macroeconômicas e do mercado financeiro que afetam todos os emissores domésticos", informou a agência.

A agência informou ainda que os fundamentos de crédito da BM&FBovespa e das demais instituições seguem sólidos, apesar da profundidade e duração da recessão brasileira. Em relação aos bancos, a Moody's observou que a mudança na perspectiva do rating soberano reduziu o risco de rebaixamento.

A lista de instituições financeiras que tiveram a perspectiva revisada inclui ainda Itaúsa, BNDESPAR, Banco ABC Brasil, Banco Alfa de Investimento, BBM, Cetelem, Citibank, Banco Cooperativo Sicredi, Daycoval, Banese, Banpará, Banrisul, Banco Ford, GMAC, Industrial do Brasil, Mizuho do Brasil, BNDES, PSA Finance Brasil, RCI Brasil, Safra, Sofisa, Votorantim, China Construction Bank (Brasil) e ING Bank N.V.

Acompanhe tudo sobre:Agências de ratingBNDESDaycovalItaúsaMoody'sRating

Mais de Negócios

Previsão é que produção de calçados esteja normalizada no RS até fim de junho

Novo CEO do iFood: o crescimento não virá de novos negócios, mas do aumento da frequência

Para além do marombeiro: rede de academias do Nordeste faz R$ 300 milhões "brigando contra o sofá"

Problemas complexos estão travando a sua empresa? Veja 5 dicas para gerenciá-los

Mais na Exame