Negócios

Marqueteiro por trás dos copos Stanley retorna à Crocs

Terence Reilly cuidará da marca Heydude, de sapatos leves e confortáveis

Publicado em 24 de abril de 2024 às 13h06.

Terence Reilly, executivo considerado responsável pelo sucesso absoluto dos copos Stanley, está deixando a empresa rumo ao seu antigo empregador, a Crocs.

Quando trabalhava na marca de calçados, Reilly dizia que sua equipe transformou o sapato de meme a sonho. Na Stanley, ele obteve sucesso ainda maior, transformando os copos antes conhecidos sobretudo por homens que faziam acampamentos em uma febre entre jovens e mulheres.

Os lucros da Stanley subiram de 73 milhões de dólares em 2019 para quase 750 milhões em 2023.

Na Crocs, Terence Reilly sucederá Rick Blackshaw, que deixou a empresa na segunda-feira. A companhia se recusou a dar entrevistas sobre o assunto. O executivo cuidará da marca Heydude, da Crocs, cujas vendas estão abaixo do esperado pela empresa, embora tenham crescido 6% em 2023 em comparação com 2022.

A Crocs adquiriu a Heydude em 2021. Seus calçados são conhecidos por serem bastante confortáveis e leves.

'Estamos empolgados por receber Terence de volta à família Crocs, Inc.', declarou Andrew Rees, CEO da Crocs, em um comunicado. 'Terence fez muito sucesso na criação e execução das estratégias de construção de marca, tanto na Stanley quanto na Crocs, alavancando produtos icônicos, aumentando o reconhecimento, impulsionando a relevância da marca e, por fim, construindo comunidades.'

Segundo Rees, Reilly é a pessoa certa para liderar a marca Heydude em sua próxima fase de crescimento.

Com informações do The Wall Street Journal.

Acompanhe tudo sobre:Stanleymarketing-viral

Mais de Negócios

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

Mais na Exame