Marisa: Resultados do segundo trimestre vão mostrar o tamanho do tombo

Desde que a pandemia começou, a companhia buscou renegociar contratos e reforçou sua operação online; o resultado desses esforços será divulgado hoje

A varejista de moda Marisa iniciou 2020 na expectativa de deixar de vez os tempos difíceis para trás. A companhia teve anos seguidos de prejuízo e ensaiava sua retomada, ganhando de novo o interesse dos investidores. Aí veio o novo coronavírus. A companhia divulga resultados do segundo trimestre nesta segunda-feira, após o fechamento do mercado. Com os números, será possível entender o tamanho do tombo que a Marisa levou na pandemia, e buscar pistas sobre quanto tempo a empresa vai levar na retomada.

No primeiro trimestre, a Marisa teve queda de 8,4% na receita da divisão de varejo e de 4,4% nas vendas de “mesmas lojas” (unidades abertas há pelo menos 12 meses). Na última linha do balanço, o prejuízo foi de 107 milhões de reais no trimestre. Em todo o ano de 2019, a Marisa teve prejuízo de 112 milhões de reais.

Desde que a pandemia começou, a companhia buscou renegociar contratos e reforçou sua operação online a fim de reduzir custos e ampliar o máximo possível as vendas. No primeiro trimestre, as vendas no e-commerce cresceram 47,3% em relação ao mesmo período do ano anterior. Nas lojas físicas, algumas unidades já reabertas apresentaram performance superior ao esperado.

Uma preocupação relevante era em relação ao pagamento dos boletos de cartão, cujos pagamentos ainda são pouco digitalizados: cerca de 70% das consumidoras pagam os boletos presencialmente nas lojas físicas. Com o fechamento das lojas, a rede imaginou que poderia ficar sem esses pagamentos e receitas.

A Marisa fechou então parcerias com redes de supermercados e padarias, que se mantiveram abertos na quarentena, para que os boletos pudessem ser pagos nas lojas dos parceiros. Além disso, abriu 160 lojas apenas para pagamento: os caixas foram levados para a porta das unidades.

Com os números do segundo trimestre a serem divulgados hoje, o mercado terá mais clareza sobre a efetividade das medidas adotadas e o impacto da pandemia nas vendas da rede. Um dos trunfos da Marisa é o fato de a maior parte de suas lojas estar na rua e não em shoppings, onde há maior restrição de funcionamento. Com unidades próximas a pontos de grande circulação, como estações de metrô e terminais de ônibus, a varejista se beneficia do fator conveniência.

Ainda assim, não há milagre. As empresas do setor de vestuário foram duramente afetadas pela pandemia, mesmo aquelas com resultados mais consistentes antes da crise. A C&A, por exemplo, teve prejuízo de 192,1 milhões de reais no segundo trimestre, ante lucro de 25,8 milhões de reais no mesmo período de 2019. Com o tsunami da pandemia, a superação da crise da Marisa vai ter que esperar um pouco mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.