Negócios

Marcelo Silva deixa o comando da Pernambucanas

Executivo foi contratado em agosto de 2002 para conduzir uma grande reestruturação na empresa, uma das maiores redes varejistas do país.

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h40.

Desde 20 de fevereiro, o executivo Marcelo Silva não responde mais pelo comando da Casas Pernambucanas, uma das maiores redes de varejo do país. Silva, de 57 anos, deixou a superintendência da empresa depois de seis anos e meio à frente dos negócios. Com sua saída, passou a responder pelo cargo, interinamente, o diretor comercial, Dílson Santos, ex-executivo da C&A, trazido para a Pernambucanas por Silva.

Marcelo Silva assumiu o comando da Pernambucanas em agosto de 2002, escolhido por um headhunter, para implantar uma grande reestruturação. Até então, a Pernambucanas era uma das poucas varejistas que resistiram ao formato de venda de peças de tecido e roupas prontas a eletrodomésticos e aparelhos celular.

Em 2001, registrou prejuízos de quase 4 milhões de dólares, um dos maiores de sua história. O desempenho era resultado de uma disputa entre os herdeiros pelo comando da empresa, que se acirrou na década de 90. No comando da Pernambucanas, Silva melhorou a performance do negócio. O lucro da líquido da empresa foi de 55,1 milhões de dólares em 2007 (segundo os últimos dados divulgados pela empresa). O faturamento é estimado hoje em mais de 2,2 bilhões de dólares.

Antes da Pernambucanas, Silva havia trabalhado 22 anos na rede nordestina de supermercados Bompreço e outros nove meses na varejista sergipana GBarbosa. Na época, as bandeiras Bompreço e GBarbosa pertenciam ao grupo holandês Ahold, que saiu do mercado brasileiro em 2005. Hoje, Bompreço pertence ao Wal-Mart e a GBarbosa, ao grupo chileno Cencosud.

Em meados de 2006, segundo apurou a reportagem de EXAME, Silva chegou a ser sondado para ocupar a presidência do Ponto Frio, segunda maior rede de eletrodomésticos e móveis do Brasil. Na ocasião, o Ponto Frio procurava um presidente para substituir o executivo Roberto Britto, que deixou a empresa depois de conflitos com o executivo Michel Elia, então representante da empresária bilionária Lily Safra, controladora da rede carioca.

Procurados pela reportagem de EXAME, Marcelo Silva não deu entrevista e a Casas Pernambucanas apenas confirmou a saída do executivo.
 

Acompanhe tudo sobre:[]

Mais de Negócios

O bilionário de 80 anos que ficou US$ 40 bilhões mais rico num ano – e US$ 2,8 bi mais rico em 24h

Como o chef João Diamante está ajudando a mudar o mundo por meio da alimentação

Carrefour inaugura primeiro Atacadão na França

RS precisa de lei de incentivo à reconstrução similar à da cultura, diz empresário gaúcho

Mais na Exame