Marcas Perdigão e Batavo devem ser suspensas

Prazos de suspensão das marcas devem variar entre dois e cinco anos, com recomendação do Cade
Recomendação de suspensão das marcas deve ajudar na aprovação da BRF (Germano Lüders/EXAME)
Recomendação de suspensão das marcas deve ajudar na aprovação da BRF (Germano Lüders/EXAME)
R
Raquel Landim, Sonia Racy e Célia FroufePublicado em 13/07/2011 às 09:00.

São Paulo e Brasília - Às 22 horas de ontem, o acordo entre Brasil Foods e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) estava 95% selado, faltando apenas alguns pontos para a sua conclusão. As negociações são retomadas na manhã de hoje e o julgamento está marcado para as 10 horas.

Conforme antecipou a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, o Cade deve recomendar a suspensão da marca Perdigão nos produtos de maior concentração de mercado como alternativa para aprovar a fusão entre Sadia e Perdigão. Na última hora, a BRF conseguiu que o conselho concordasse em suspender a marca Batavo, em vez de determinar sua venda. A marca Sadia será preservada, porque é a mais "premium" da empresa e a mais forte no mercado exterior.

Os prazos de suspensão das marcas Perdigão e Batavo devem variar entre dois e cinco anos, conforme o produto e o market share total alcançado pela BRF. Até ontem, haviam sido estabelecidas restrições para 8 das 14 categorias em jogo - mas a empresa ainda tentava reverter alguns casos.

Com a fusão entre Sadia e Perdigão, a BRF atingiu concentrações de mercado significativas em alguns produtos, como pizzas prontas (70%), hambúrgueres (80%), lasanhas (90%), presunto (70%) ou kit de festas de fim de ano (90%).

É pouco provável, no entanto, que os consumidores saibam hoje de quais produtos as marcas Perdigão ou Batavo vão desaparecer. Segundo uma fonte, é possível que isso seja tratado como "confidencial", para evitar perdas para a empresa antes que o acordo seja implementado.

Como parte do pacote negociado com o Cade, a BRF deve colocar à venda ativos que representam 20% de sua produção total e 40% da produção voltada ao mercado local. A empresa venderia fábricas, centros de distribuição, além de marcas populares como Rezende, Escolha Saudável, Confiança e Wilson.

No último momento, a BRF conseguiu convencer o Cade a não obrigá-la a vender a marca Batavo, adquirida da Parmalat e com forte presença no mercado de lácteos. A concentração em lácteos não aumentou com a fusão, porque a Sadia não atuava nesse segmento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.