Negócios

Magnata tailandês aumenta a US$6,6 bi oferta por Siam Makro

CP All, controlada pela Dhanin Chearavanont, está se preparando para entrar mais forte no setor de varejo da Tailândia


	Interior da Makro: empresas tailandesas têm passado por uma onda de aquisições nos últimos dois anos, incentivada por dívida bancária barata
 (Divulgação/Divulgação)

Interior da Makro: empresas tailandesas têm passado por uma onda de aquisições nos últimos dois anos, incentivada por dívida bancária barata (Divulgação/Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 23 de abril de 2013 às 13h21.

Bancoc/Singapura - O homem mais rico da Tailândia está oferecendo 6,6 bilhões de dólares para comprar a atacadista Siam Makro da holandesa SHV Holdings, no maior negócio de fusões e aquisições anunciado na Ásia-Pacífico neste ano.

A CP All, maior rede de lojas de conveniência do país, controlada pela Dhanin Chearavanont, está se preparando para entrar mais forte no setor de varejo da Tailândia, avaliado em 80 bilhões de dólares, apenas dois meses após a Dhanin completou um negócio para comprar uma fatia de 9,4 bilhões na Ping An Insurance Group of China, do HSBC.

Os mais de 11 bilhões de dólares em empréstimos que as entidades apoiadas pela Dhanin tomaram neste ano é, para a Tailândia, o maior empréstimos já registrado pelos dados da Thomson Reuters-LPC data, que datam de 1992.

O negócio mais recente, financiado principalmente por um empréstimo de 6 bilhões de dólares, irá combinar os operadores da maior rede de lojas de conveniência da Tailândia e o negócios de atacado de autoserviço, dando à CP All maior poder de barganha em fontes de abastecimento e força para expandir no sudeste da Ásia.

Empresas tailandesas têm passado por uma onda de aquisições nos últimos dois anos, incentivada por dívida bancária barata, disponibilidade de recursos e alta dos preços das ações. Isso levou o volume de fusões e aquisições na Tailândia para um recorde de 25,9 bilhões de dólares no ano passado.

Dhanin e SHV fundaram a Siam Makro em 1988 e em 1997 o grupo Charoen Pokpphand (CP), da Dhanin, era o principal acionista da empresa. A crise da moeda tailandesa baht, em 1997, forçou o Dhanin a vender participações, incluindo a Siam Makro e a Lotus Supercenter, que foi adquirida pela britânica Tesco.

Acompanhe tudo sobre:AtacadoComércioEmpresasEmpresas holandesasFusões e AquisiçõesMakroVarejo

Mais de Negócios

Inteligência Artificial no Brasil: inovação, potencial e aplicações reais das novas tecnologias

Mundo sem cookies: as big techs estão se adequando a uma publicidade online com mais privacidade

Ligadona em você: veja o que aconteceu com a Arapuã, tradicional loja dos anos 1990

A empresa inglesa que inventou a retroescavadeira vai investir R$ 500 milhões no Brasil — veja onde

Mais na Exame