Negócios

Lucro da Mills sobe 4,4% no 3º tri, a R$39,6 mi

Segundo a companhia, pesaram sobre os resultados itens extraordinários que tiveram efeito negativo líquido de 3,3 milhões de reais


	Construção do estádio Mané Garrincha, em Brasília, pela Mills: companhia registrou receita líquida de 222 milhões de reais, um crescimento de 28 por cento
 (Divulgação)

Construção do estádio Mané Garrincha, em Brasília, pela Mills: companhia registrou receita líquida de 222 milhões de reais, um crescimento de 28 por cento (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 6 de novembro de 2013 às 19h19.

Rio de Janeiro - A empresa de engenharia Mills informou nesta quarta-feira que registrou lucro líquido de 39,6 milhões de reais no terceiro trimestre, um recuo alta de 4,4 por cento.

Pesaram sobre os resultados itens extraordinários que tiveram efeito negativo líquido de 3,3 milhões de reais, disse a companhia. Além disso, o resultado financeiro ficou negativo em 12,3 milhões de reais no terceiro trimestre, ante um valor negativo de 8,8 milhões de reais no segundo trimestre.

A Mills registrou receita líquida de 222 milhões de reais, um crescimento de 28 por cento na comparação com o terceiro trimestre de 2012.

Já os custos dos produtos vendidos e de serviços prestados foi de 93,5 milhões de reais, ante 61,7 milhões um ano antes.

A Mills investiu 129,7 milhões de reais em crescimento orgânico no terceiro trimestre, dos quais 118,8 milhões de reais foram destinados a equipamentos para locação.

O Ebtida (sigla em inglês para lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu 106,1 milhões de reais, alta de 10,6 por cento ante o mesmo período de 2012.

Acompanhe tudo sobre:BalançosConstrução civilgestao-de-negociosLucroMillsResultado

Mais de Negócios

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Polishop

Fernando Goldsztein: Toda a ajuda é pouca para os atingidos pelas enchentes do RS

Rodízio caro: rede de restaurantes Red Lobster pede recuperação judicial com dívida de US$ 1 bilhão

A startup que pretende usar um fundo de R$ 150 milhões para salvar negócios no Rio Grande do Sul

Mais na Exame