Negócios

Incêndio parou produção por pouco tempo, diz Petrobras

Segundo a petroleira, o incêndio ocorreu às 22h28, durou apenas 4 minutos e foi possivelmente causada pelo vazamento de um produto chamado glicol

Petrobras: "Não houve feridos e nem danos materiais, e a produção foi retomada pouco depois do incidente" (Dado Galdieri/Bloomberg)

Petrobras: "Não houve feridos e nem danos materiais, e a produção foi retomada pouco depois do incidente" (Dado Galdieri/Bloomberg)

R

Reuters

Publicado em 12 de junho de 2017 às 18h14.

Rio de Janeiro - Um princípio de incêndio atingiu a plataforma P-35 da Petrobras, no campo de Marlim, na Bacia de Campos, na noite de domingo, levando à paralisação da produção por um curto período, afirmou nesta segunda-feira a estatal.

Segundo a petroleira, o incêndio ocorreu às 22h28 e durou apenas quatro minutos, sendo debelado com o uso de mangueira logo após o alarme de emergência ser acionado.

A empresa afirmou que a ocorrência foi possivelmente causada pelo vazamento de um produto chamado glicol, em alta temperatura, confirmando informações publicadas mais cedo pelo Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro NF).

"Não houve feridos e nem danos materiais, e a produção foi retomada pouco depois do incidente", afirmou a companhia em uma nota, após questionamentos.

Não ficou claro quanto tempo a plataforma ficou sem produzir.

A Petrobras disse ainda que uma comissão será convocada para análise preliminar e uma comissão será constituída para investigar as causas e a abrangência do ocorrido.

A P-35 produziu em março 23,807 mil barris de petróleo por dia e 366 mil metros cúbicos de gás natural por dia, segundo os dados mais atualizados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Em nota, o Sindipetro NF frisou que, apesar de ninguém ter sido ferido, está preocupado com a ocorrência de acidentes.

Na sexta-feira, uma explosão na sonda NS-32, operada pela Odebrecht Óleo e Gás (OOG), também no campo de Marlim, causou a morte de três trabalhadores. A sonda trabalhava a serviço da Petrobras.

Acompanhe tudo sobre:IncêndiosPetrobras

Mais de Negócios

Inteligência Artificial no Brasil: inovação, potencial e aplicações reais das novas tecnologias

Mundo sem cookies: as big techs estão se adequando a uma publicidade online com mais privacidade

Ligadona em você: veja o que aconteceu com a Arapuã, tradicional loja dos anos 1990

A empresa inglesa que inventou a retroescavadeira vai investir R$ 500 milhões no Brasil — veja onde

Mais na Exame