Negócios

Huawei processa governo dos EUA pela proibição de seus produtos

Presidente rotativo da empresa afirmou que decisão norte-americana é "inconstitucional" e interfere no mercado

Huawei: empresa recebeu 13 acusações dos EUA (David Becker/Getty Images)

Huawei: empresa recebeu 13 acusações dos EUA (David Becker/Getty Images)

E

EFE

Publicado em 7 de março de 2019 às 06h06.

Última atualização em 7 de março de 2019 às 06h13.

Shenzhen - O fabricante chinês de equipamentos de telecomunicações Huawei anunciou nesta quinta-feira que entrou com uma ação contra o governo dos Estados Unidos pela proibição de seus produtos no mercado americano em meio a acusações de espionagem contra a empresa.

"Esta proibição não é apenas ilegal, mas também restringe a Huawei para participar de concorrência leal e, em última instância, prejudica os consumidores americanos", afirmou o presidente rotativo de Huawei, Guo Ping, também denunciando que seus servidores foram "hackeados", além do "roubo" dos e-mails por parte das autoridades dos EUA.

Em entrevista coletiva realizada na cidade de Shenzhen, sede da companhia, Guo disse que o processo foi aberto em um tribunal do Texas para impugnar a Lei de Autorização de Defesa Nacional que proíbe às agências governamentais em adquirir produtos da Huawei.

"O Congresso dos EUA fracassou repetidamente em apresentar provas para apoiar suas restrições aos produtos da Huawei, e somos obrigados a tomar essa ação legal apropriada e como último recurso", acrescentou.

Assim, ele insistiu que a decisão do governo de Donald Trump é "inconstitucional" e interfere no mercado.

"Se esta lei for anulada, como deveria ser, a Huawei poderia fornecer mais avanços tecnológicos para os EUA e ajudar a construir as melhores redes 5G", afirmou.

A decisão da empresa chinesa acontece após receber 13 acusações nos EUA, entre elas de espionagem industrial e fraude bancária, e aparecer na lista negra em vários países pela suposta falta de segurança de seus equipamentos de rede.

A diplomacia americana está pressionando os países aliados e seus provedores de internet e serviços sem fio para evitar a Huawei, maior fabricante de equipamentos de telecomunicações e o segundo de smartphones do mundo, argumentando que Pequim poderia forçá-lo a espionar ou desativar suas redes.

As acusações sobre a segurança da tecnologia 5G desenvolvida pela Huawei sempre foram rechaçadas pela companhia, que insiste que não tem "portas dos fundos" para acessar qualquer dispositivo e controlá-lo sem o conhecimento do usuário.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Huawei

Mais de Negócios

A startup que pretende usar um fundo de R$ 150 milhões para salvar negócios no Rio Grande do Sul

Como a Amazon quer fazer pequenos e médios negócios brasileiros venderem nos Estados Unidos

Francal se transforma em ecossistema para eventos e apresenta novo hub de negócios

10 franquias baratas de limpeza para empreender a partir de R$ 27 mil

Mais na Exame