Hotel de luxo tira nome de Trump para não perder dinheiro

Depois que Trump foi eleito, os negócios no hotel esfriaram bastante e clientes fiéis, como a família Kardashian, deixaram de frequentar o local

São Paulo – O Trump SoHo, hotel gerenciado pela organização de Donald Trump, quer dissociar sua imagem do presidente dos Estados Unidos.

Depois que Trump foi eleito, os negócios no hotel em Nova York esfriaram bastante. Clientes fiéis, como a família Kardashian, deixaram de frequentar o local e o restaurante japonês do hotel, Koi, fechou no início deste ano. Os quartos também esvaziaram e o preço das suítes, que era de 700 dólares a diária, caiu para 400 dólares.

O hotel cinco estrelas existe há 11 anos, aberto enquanto Trump ainda era apresentador do programa O Aprendiz. Era o segundo hotel de luxo aberto pelo empresário.

No entanto, a família do presidente, através da Trump Organization, irá deixar a administração do hotel no ano que vem, de acordo com o New York Times. O hotel também irá retirar o nome Trump de seu empreendimento.

A organização não é dona do hotel, mas gerenciava suas operações no dia a dia, como faz com diversos empreendimentos. Os filhos de Trump, Donald Jr e Eric eram responsáveis pelo gerenciamento. A dona é CIM, um escritório de investimentos com sede na Califórnia.

A história do empreendimento é bastante conturbada. Ele já foi investigado por fraude e foi construído com a parceria de dois empresários russos.

A família já havia fechado um acordo para retirar o nome Trump de uma torre em Toronto, Canadá. O empreendimento havia sido alvo de protestos contra o então candidato durante as eleições do ano passado.

No entanto, outros empreendimentos que levam o nome do presidente viram seus negócios crescerem desde a eleição. É o caso do hotel Trump International, em Washington, que apresentou mais de 2 milhões de dólares em lucro no primeiro trimestre deste ano, de acordo com o The Guardian.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.