Negócios

Hermès reabre loja na China e vende US$ 2,7 milhões em um dia

Venda recorde ocorreu no sábado indica forte recuperação do consumo de luxo na China pós-coronavírus. 

Loja da Hermès em Honk Kong: vendas na Ásia em alta (May James/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

Loja da Hermès em Honk Kong: vendas na Ásia em alta (May James/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

Mariana Desidério

Mariana Desidério

Publicado em 15 de abril de 2020 às 15h12.

Última atualização em 15 de abril de 2020 às 23h15.

A marca francesa de artigos de luxo Hermès vendeu 2,7 milhões de dólares em um único dia, durante a reabertura de sua loja na cidade chinesa de Guangzhou. A reabertura ocorreu no último sábado e indica forte recuperação do consumo de luxo na China pós-coronavírus. As informações são do Women's Wear Daily.

Para a reabertura, a marca recebeu bolsas raras, inclusive uma peça cravejada de diamantes. De acordo com a publicação, clientes chineses da província de Guangdong viajaram até Guangzhou para comprar sapatos, móveis, louças e artigos de couro.

As compras foram registradas nas redes sociais chinesas. Uma cliente afirmou ter comprado 142 mil dólares em produtos no dia da reabertura, diz o WWD. Segundo a publicação, as vendas 2,7 milhões de dólares em um único dia são as maiores já registradas em uma loja na China.

“Esta reabertura afirma o compromisso da Hermès com o sul da China e marca um novo capítulo da casa parisiense em Guangzhou, onde está presente desde 2004”, disse a marca.

A quarentena na cidade chinesa de Wuhan, onde começou a pandemia de coronavírus, foi encerrada oficialmente no dia 8 de abril. Em um momento em que a maior parte do mundo continua em isolamento, o país reforça sua importância para o mercado de luxo. Nesse sentido, as vendas da Hermès são uma ótima notícia também para outras marcas.

Acompanhe tudo sobre:ChinaCoronavírusLuxo

Mais de Negócios

De entregadores a donos de fábrica: irmãos faturam R$ 3 milhões com pão de queijo mineiro

Como um adolescente de 17 anos transformou um empréstimo de US$ 1 mil em uma franquia bilionária

Um acordo de R$ 110 milhões em Bauru: sócios da Ikatec compram participação em empresa de tecnologia

Por que uma rede de ursinho de pelúcia decidiu investir R$ 100 milhões num hotel temático em Gramado

Mais na Exame