Negócios

Na contramão das demissões, Gupy lança ferramenta para empresas que querem promover funcionários

Novo recurso da startup de RH vai facilitar processos seletivos internos com a criação de uma página de vagas exclusivas para colaboradores das empresas clientes

Guilherme Dias, cofundador da Gupy (Gupy/Divulgação)

Guilherme Dias, cofundador da Gupy (Gupy/Divulgação)

Na Gupy, startup de recursos humanos, o lançamento de uma nova funcionalidade pode auxiliar empresas que desejam ir na contramão dos layoffs, as famigeradas demissões em massa que têm acontecido com frequência nos últimos meses. A empresa anuncia nesta quinta-feira (2) a criação de um recurso para facilitar promoções e processos seletivos internos.

Na prática, a nova ferramenta vai permitir a organização de processos seletivos internos, nos quais os candidatos para uma vaga são funcionários que já trabalham em determinada empresa. Com isso, as empresas usuárias da Gupy poderão criar páginas de carreiras com acesso exclusivo de colaboradores e, então, publicar suas vagas.

Um recurso adicional também vai permitir a mudança do processo seletivo para externo, caso a empresa não encontre em casa os candidatos para a vaga.

Por que a empresa está lançando o recurso

Uma ferramenta capaz de aprimorar processos seletivos internos pode ser o pontapé para a valorização da força de trabalho já ativa, principalmente no que se refere a profissionais estratégicos cuja saída ou demissão pode representar um baque econômico para as empresas. “Esta prática contribui muito para aumentar o senso de realização profissional, o que torna a empresa mais competitiva frente à concorrência global por talentos. Por se tratar de uma movimentação interna, não há custos decorrentes dos processos de recrutamento e admissão”, diz Guilherme Dias, cofundador da Gupy.

Além da questão financeira, olhar para dentro de casa em busca de talentos que atendam aos requisitos de mercado para preencher vagas diversas também contribui para solucionar lacunas de habilidades comportamentais, as chamadas soft skills.

Ao trocar um funcionário de posição ou área internamente, segundo Dias, companhias estão ajudando a desenvolver novas competências — e, na ponta, tendo vantagem na guerra global por talentos. “Escutar o que as pessoas querem, além de reconhecê-las e contribuir para a sua realização profissional, são grandes diferenciais de humanização que tornam a empresa um ambiente melhor para trabalhar e se desenvolver”, diz.

Os bons resultados para empresas que dedicam esforços para a especialização de seus times internos já estão em pesquisas mundo afora. Segundo o estudo Workplace Learning Report, elaborado pelo Linkedin, empresas que adotam práticas consolidadas de treinamento e desenvolvimento conseguem praticamente dobrar o nível de retenção de funcionários, saltando de 2,9 anos para 5,4 anos.

A expectativa na Gupy é de que mais de 1.000 empresas utilizem a solução até o final de 2023. Atualmente, a Gupy publica cerca de 60.000 novas vagas por mês.

VEJA TAMBÉM

Na Gupy, edtech Niduu dobra faturamento e indica relevância da educação corporativa

Conceito do que é "promissor" mudou: para as startups, o lucro será fundamental

 

Acompanhe tudo sobre:Recursos humanos (RH)Startups

Mais de Negócios

A Simple Organic quer crescer nas farmácias com preços competitivos — e conta com a Hypera para isso

Esta fintech de Sergipe captou R$ 422 milhões em 45 dias e já movimenta mais de R$ 1 bi pelo Brasil

Volume de negociação com bitcoin atinge maior patamar em dois anos. Veja quem lidera

Esse carioca criou um banco no WhatsApp — que acabou de nascer, mas já movimentou R$ 13 milhões

Mais na Exame