Acompanhe:
seloNegócios

Gradiente aprova recuperação extrajudicial na Justiça

Gradiente obteve apoio suficiente de credores para homologar o plano, diz magistrado

Modo escuro

Continua após a publicidade
Staub, presidente da Gradiente: negociação árida com credores

Staub, presidente da Gradiente: negociação árida com credores

M
Márcio Juliboni

Publicado em 22 de julho de 2011 às, 18h25.

Última atualização em 3 de agosto de 2018 às, 17h49.

São Paulo - A 2ª Vara de Falências do Tribunal de Justiça de São Paulo homologou, nesta segunda-feira (24/5), o plano de recuperação extrajudicial da Gradiente. Em seu despacho, o juiz Caio Marcelo Mendes de Oliveira afirmou que "o que prevalece aqui é a vontade da maioria, que aceitou a forma de atualização e incidência de juros proposta pela devedora".

Desde que foi aprovado pelos credores, em 25 de janeiro, o plano da Gradiente era alvo de dúvidas. Parte dos credores discordava dos termos do acordo, o que ameaçava a sua implantação. O magistrado, porém, considerou que o impasse era prejudicial a todos. Segundo o despacho, "a demora na solução da questão acaba por trazer transtornos à devedora, com inconvenientes que se refletem nos demais direitos dos credores".

Com o aval da Justiça, a Gradiente pode, agora, colocar em curso sua reestruturação. De acordo com o plano aprovado pela assembléia, no final de janeiro, a companhia terá uma carência de dois anos, a partir de 1º de janeiro de 2010, para iniciar o pagamento de suas dívidas. A amortização ocorrerá em 28 parcelas trimestrais, vencendo em janeiro de 2019. O saldo devedor sofrerá correção de CDI mais 0,67% ao ano.

O plano também prevê o arrendamento da fábrica e da marca Gradiente - com opção de compra - para a Companhia Brasileira de Tecnologia Digital (CBTD). Este será o braço operacional do grupo e poderá receber aporte financeiro de outros investidores. Já a empresa mudará sua razão social para IGB Eletrônica.

Comandada pelo empresário Eugênio Staub, a Gradiente encontra-se atolada em problemas financeiros há três anos. Além da concorrência mais acirrada, o que derrubou a empresa, segundo o próprio Staub já afirmou em público, foram dois movimentos. O primeiro foi a compra da Philco, então controlada pela família Setúbal, em 2005 por 60 milhões de reais. Dois anos depois, a empresa foi vendida por 22 milhões de reais, a fim de reduzir o rombo financeiro. Outro problema foram falhas administrativas que, em 2007, praticamente paralisaram a companhia.

 

Últimas Notícias

Ver mais
CVC Capital Partners quer captar US$ 1,33 bilhão em IPO – se o Oriente Médio deixar
Exame IN

CVC Capital Partners quer captar US$ 1,33 bilhão em IPO – se o Oriente Médio deixar

Há 12 horas

Brasil retoma autossuficiência e vê produção de alumínio avançar 24% em 2023
Economia

Brasil retoma autossuficiência e vê produção de alumínio avançar 24% em 2023

Há um dia

Além de óculos e relógios: Chilli Beans abre o leque e aposta em bebidas e caixas de som
Casual

Além de óculos e relógios: Chilli Beans abre o leque e aposta em bebidas e caixas de som

Há 2 dias

Lula afirma que o Brasil voltará a vender 3,8 milhões de carros por ano
Economia

Lula afirma que o Brasil voltará a vender 3,8 milhões de carros por ano

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais