Negócios

Google garante neutralização carbono de suas entregas até 2022

A empresa também anunciou que irá incluir plástico reciclado em todos os produtos, que só serão lançados com materiais sustentáveis e facilidade de reparo

Google: Neutralização de carbono e plástico reciclado em suas entregas (Arnd Wiegmann/Reuters)

Google: Neutralização de carbono e plástico reciclado em suas entregas (Arnd Wiegmann/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 5 de agosto de 2019 às 16h33.

Última atualização em 5 de agosto de 2019 às 16h35.

São Francisco — O Google, da Alphabet, anunciou nesta segunda-feira que vai neutralizar as emissões de carbono oriundas de entregas de produtos ao consumidor até o próximo ano e incluir plástico reciclado em todos seus produtos até 2022.

Os novos compromissos aumentam a competição entre empresas de tecnologia com o objetivo de mostrar a consumidores e governos de que estão reduzindo o impacto ambiental de sua crescente rede de dispositivos.

Anna Meegan, diretora de sustentabilidade da divisão de dispositivos e serviços do Google, disse que as emissões de carbono ligadas às entregas da empresa caíram 40% no ano passado ante 2017, dependendo mais de navios do que de aviões para transportar celulares, laptops e outros dispositivos.

A empresa vai compensar as emissões remanescentes com a compra de créditos de carbono, disse Meegan.

Em um post, o Google se comprometeu a introduzir um pouco de plástico reciclado em 100% de seus produtos até 2022.

A sustentabilidade agora faz parte do planejamento de hardware do Google, disse ela. Dispositivos não passarão da segunda fase de projetos se não mostrarem que embalagens, materiais sustentáveis e facilidade de reparo foram observados.

Acompanhe tudo sobre:Emissões de CO2GooglePlásticos

Mais de Negócios

Inteligência Artificial no Brasil: inovação, potencial e aplicações reais das novas tecnologias

Mundo sem cookies: as big techs estão se adequando a uma publicidade online com mais privacidade

Ligadona em você: veja o que aconteceu com a Arapuã, tradicional loja dos anos 1990

A empresa inglesa que inventou a retroescavadeira vai investir R$ 500 milhões no Brasil — veja onde

Mais na Exame