Negócios

Goldman Sachs proíbe grosserias em e-mails de funcionários

Audiência no Congresso americano mostrou e-mails de funcionários na investigação sobre atuação do banco na crise

E-mails de funcionários do Goldman Sachs foram apresentados durante audiência no Congresso (AFP)

E-mails de funcionários do Goldman Sachs foram apresentados durante audiência no Congresso (AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de julho de 2010 às 16h49.

Nova York - Os empregados do Goldman Sachs terão que estar mais atentos à linguagem usada em seus correios eletrônicos, depois que vários e-mails cheios de grosserias serviram de prova contra o banco durante uma audiência no Parlamento, anunciou nesta quinta-feira um porta-voz do grupo.

"Não se trata de uma nova política", afirmou à AFP Michael Duvally. "Simplesmente, estamos melhorando nossos sistemas de vigilância".

No mês de abril passado, durante uma audiência ligada à denúncia da autoridade de controle dos mercados americanos (SEC) contra o Goldman Sachs, os parlamentares tornaram públicos vários e-mails de empregados do banco que definiam um produto financeiro da empresa como uma "proposta de m..." para os investidores.

Acompanhe tudo sobre:Bancosbancos-de-investimentoE-mailEmpresasEmpresas americanasgestao-de-negociosGoldman SachsPrivacidade

Mais de Negócios

Eles passaram a vender lanche na garagem durante a pandemia. Agora fazem R$ 6 milhões com hambúrguer

Gestor consegue identificar comportamentos arriscados e evitar acidentes, diz VP da Geotab

O Brasil pode exportar peças para veículos? Essa é a aposta da Bosch após vender R$ 9,8 bilhões aqui

Startup do Amapá capta R$ 3 milhões e já tem R$ 30 milhões para emprestar na Amazônia

Mais na Exame