Gafisa tem prejuízo líquido de R$ 23,545 milhões no 2º trimestre piora de 85%

A piora nos números reflete a crise provocada pelo coronavírus, que diminuiu o volume de vendas, derrubando a receita e interferindo na diluição de despesas

A Gafisa fechou o segundo trimestre de 2020 com prejuízo líquido de R$ 23,545 milhões. A perda foi 85% maior do que no mesmo período de 2019, quando a incorporadora sofreu um prejuízo de R$ 12,724 milhões, de acordo com balanço publicado nesta terça-feira, 11.

A piora nos números reflete a crise provocada pelo coronavírus, que diminuiu o volume de vendas, derrubando a receita e interferindo na diluição de despesas.

O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado somou R$ 7,722 milhões, encolhimento de 79 4% na mesma base de comparação. A margem Ebitda recuou de 14% para 9,2%.

A receita líquida totalizou R$ 83,8 milhões, baixa de 15,9%, em função do menor volume de vendas. As despesas gerais e administrativas aumentaram 34%, para R$ 19,180 milhões.

Por conta da pandemia, a Gafisa não retomou lançamentos no trimestre, como havia planejado. As vendas líquidas somaram R$ 19,840 milhões, recuo de 64,7%.

Na apresentação dos resultados, a companhia disse que registrou crescimento das vendas no fim do trimestre e que as vendas de julho foram as melhores nos últimos 18 meses.

Em relação aos lançamentos, a Gafisa informou que tem três empreendimentos em fase de pré-lançamento, com valor geral de vendas (VGV) total de R$ 288 milhões.

"Depois de adiar a retomada dos lançamentos em função das condições de mercado decorrentes da pandemia, entendemos que já há condições mínimas para a retomada dos lançamentos", afirmou a direção.

A Gafisa entrou quatro empreendimentos entre abril e junho, com um VGV total de R$ 543 milhões. Para todo o ano está prevista a entrega de um total de oito empreendimentos, correspondentes a R$ 765 milhões de VGV e 1.350 unidades.

A Gafisa terminou o trimestre com dívida líquida de R$ 103,493 milhões, corte de 82,4%. Já o total de recursos em taxa subiu 212%, para R$ 570,156 milhões. Isso aconteceu porque o aumento de capital aprovado em abril de 2020 levou para o caixa da companhia R$ 259,7 milhões.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.