Acompanhe:
seloNegócios

Furnas, da Eletrobras, assina contrato de R$578,6 mi com Odebrecht

Negócio vem em um momento em que a Odebrecht é pressionada por credores em meio a dificuldades financeiras iniciadas após escândalo da Operação Lava Jato

Modo escuro

Continua após a publicidade
Odebrecht: negócio com a estatal não sofre restrições porque a empreiteira não foi considerada inidônea pelas autoridades (Paulo Whitaker/Reuters)

Odebrecht: negócio com a estatal não sofre restrições porque a empreiteira não foi considerada inidônea pelas autoridades (Paulo Whitaker/Reuters)

Luciano Costa, da Reuters

Publicado em 26 de março de 2018 às, 18h09.

Última atualização em 26 de março de 2018 às, 19h52.

São Paulo - A estatal Furnas, subsidiária da Eletrobras, assinou um contrato de 578,67 milhões de reais com empresas do grupo Odebrecht para o aumento da capacidade da termelétrica Santa Cruz, no Rio de Janeiro, segundo informações da empresa e do Diário Oficial da União desta segunda-feira.

O negócio, conquistado em licitação, vem no momento em que a Odebrecht é pressionada por credores em meio a dificuldades financeiras iniciadas após um enorme escândalo de corrupção que atingiu a companhia, depois de investigações da chamada Operação Lava Jato no Brasil.

Segundo Furnas, a Odebrecht Engenharia e Construção Internacional e sua subsidiária CBPO Engenharia formam o consórcio contratado para a obra na usina de Santa Cruz, que envolverá a implantação de ciclo combinado na unidade. A assinatura do contrato aconteceu em 19 de março.

O negócio com a estatal não sofre restrições porque a Odebrecht não foi considerada inidônea pelas autoridades brasileiras, o que vedaria sua contratação por agentes públicos, informou a empreiteira à Reuters.

Furnas disse que a contratação envolveu uma concorrência e que as empresas da Odebrecht apresentaram o menor preço, com uma proposta "7 por cento abaixo do valor orçado e atualizado", segundo nota da companhia.

A UTE Santa Cruz opera atualmente com 350 megawatts em capacidade, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O fechamento do chamado ciclo combinado na usina deve garantir uma potência final de pelo menos 507 megawatts líquidos, segundo documentos da licitação.

Segundo o Diário Oficial, o contrato com o consórcio da Odebrecht terá prazo de 58 meses e em regime de empreitada integral, o que significa que a empresa ficará responsável por serviços de engenharia, obras civis, fornecimento de materiais, montagem eletromecânica e comissionamento da unidade, entre outras atividades.

Atraso

A operação do chamado ciclo combinado na termelétrica Santa Cruz foi permitida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em 2002, com previsão de operação a partir de 2006.

Depois, Furnas ganhou prazo até o fim de 2014 para entregar as obras, mas o cronograma ainda assim não foi cumprido. O atraso do empreendimento levou a Aneel a multar a empresa em quase 995 mil reais em 2015, infração já paga pela estatal.

Últimas Notícias

Ver mais
O que esporte e transição energética têm em comum? Para Bernardinho, tudo
Um conteúdo Bússola

O que esporte e transição energética têm em comum? Para Bernardinho, tudo

Há 4 dias

Lula assina MP que alivia contas de luz agora, mas pressiona tarifas no futuro
Economia

Lula assina MP que alivia contas de luz agora, mas pressiona tarifas no futuro

Há 4 dias

Se Enel SP ‘permanecer inerte’, podemos recomendar intervenção, diz diretor-geral da Aneel
Brasil

Se Enel SP ‘permanecer inerte’, podemos recomendar intervenção, diz diretor-geral da Aneel

Há uma semana

Nunes Marques, do STF, prorroga negociação entre governo federal e Eletrobras
Brasil

Nunes Marques, do STF, prorroga negociação entre governo federal e Eletrobras

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais