Negócios

Enjoei: caminho sem volta do e-commerce deve marcar resultados

Empresa divulga nesta sexta-feira o balanço financeiro do segundo trimestre e expectativa é de que números mostrem força do varejo digital, mesmo com retomada presencial no setor de moda

Ana Luiza Mclaren, CEO da Enjoei: empresa divulga resultados nesta sexta (Leandro Fonseca/Exame)

Ana Luiza Mclaren, CEO da Enjoei: empresa divulga resultados nesta sexta (Leandro Fonseca/Exame)

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

O brechó online Enjoei (ENJU3) divulga nesta sexta-feira, 13, os resultados financeiros do segundo trimestre deste ano. Essa é a terceira vez que a empresa divulga abertamente seu desempenho desde a abertura de capital, em novembro do ano passado.

Antecipado pela empresa em prévia para investidores há um mês, o resultado deste segundo trimestre deve servir de norte para entender os caminhos do e-commerce no mercado da moda, mesmo em meio a reabertura de lojas entre as grandes varejistas. Para a Enjoei, também são uma confirmação de que, em tempos de digitalização e corrida dos principais players do varejo digital, a palavra de ordem é fidelização.

No primeiro trimestre, a empresa registrou um crescimento de 107% no número de novos compradores, e de 20% na recorrência de compras em comparação com o mesmo período de 2020. Além disso, o inventário de produtos cresceu, totalizando 3,8 milhões de itens. “Confirmamos que nosso crescimento se dá por aumento de base de clientes e recorrência, onde os dois principais ingredientes da nossa receita são: vendedores e inventário”, disse a empresa, em comunicado. “É nesta direção que estamos empenhando nossos esforços e investimentos”.

Outros dados podem confirmar a relevância do digital para o Enjoei: nos primeiros três meses do ano, o aplicativo da marca foi baixado 5,7 milhões de vezes, quase cinco vezes o número de downloads em igual período do ano passado, e o volume bruto de mercadoria (GMV) dobrou, para 172 milhões de reais. O indicador é uma métrica importante para o e-commerce e determina quanto uma empresa transacionou em um determinado período.

Os resultados da Enjoei também podem dar a primeira palavra quando o assunto é e-commerce no pós-pandemia. De agora em diante, a ideia é transformar a plataforma em um grande marketplace, estratégia adotada por outras gigantes do setor como Renner, Amaro e C&A.

Desde a integração com outras plataformas, 35 novas marcas passaram a vender seus itens através do e-commerce da Enjoei. Tudo isso colaborou para que o aplicativo da empresa se tornasse o sexto app de compras mais procurado do país no primeiro semestre de 2021, segundo um levantamento da RankMyApp, empresa de inteligência de marketing.

O futuro do varejo é 100% digital? Entenda assinando a EXAME.

Acompanhe tudo sobre:e-commerceExame HojeModaVarejo

Mais de Negócios

Família Ling cria programa de R$ 50 milhões para reconstruir RS com sociedade civil

Na corrida pelo primeiro R$ 1 bi, Sankhya anuncia sexta aquisição e prevê mais duas até o fim do ano

Brazil Summit: encontro em NY reunirá lideranças para debater perspectivas de negócios do país

Planta da JBS em Mato Grosso do Sul será a maior unidade de bovinos da América Latina

Mais na Exame