Negócios

Enel abre plano de demissão voluntária na ex-Eletropaulo

Programa de Saída Voluntária recebe adesões até 17 de janeiro; podem aderir funcionários com mais de oito anos de empresa ou a partir dos 55 de idade

Enel: Companhia adquiriu a Eletropaulo no primeiro semestre de 2018 (Stefano Rellandini/Reuters)

Enel: Companhia adquiriu a Eletropaulo no primeiro semestre de 2018 (Stefano Rellandini/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 9 de janeiro de 2019 às 18h17.

São Paulo - A italiana Enel abriu um plano de demissão voluntária em sua subsidiária de distribuição de energia no Estado de São Paulo, a antiga Eletropaulo, adquirida pela companhia no primeiro semestre do ano passado.

O chamado Programa de Saída Voluntária (PSV) receberá adesões até 17 de janeiro e poderão aderir colaboradores com mais de oito anos de empresa ou com idade superior ou igual a 55 anos, segundo duas fontes familiarizadas com a empresa e um documento interno da Enel ao qual a Reuters teve acesso.

Uma das fontes disse que o universo de elegíveis ao plano na elétrica é de cerca de 3 mil empregados e que até o momento houve cerca de 180 adesões.

Em documento interno, a Enel disse aos colaboradores que a análise e aprovação das adesões ao programa "ficará a critério discricionário" da companhia, que poderá definir "seus critérios de escolha/validação" dos profissionais.

"As adesões serão limitadas ao orçamento disponível para o programa", acrescentou a companhia no documento, sem comentar valores.

Em nota, a Enel confirmou ter lançado o programa de demissão voluntária em dezembro e que "aqueles que são elegíveis para este programa receberão benefícios adicionais além dos previstos por lei".

A companhia oferece aos que aderirem ao plano direitos legais, como férias vencidas e folgas adquiridas, além de 40 por cento dos depósitos do FGTS e indenização de 50 por cento do salário base acrescido de adicional de periculosidade por ano de trabalho. O valor máximo será de 10 salários base a serem pagos juntamente com as verbas rescisórias.

Os pagamentos serão feitos em até 10 dais corridos após a rescisão e os empregados aceitos no programa ainda terão direito a seis meses de plano médico e odontológico e vale-refeição e alimentação.

A Enel fechou a compra do controle da Eletropaulo em junho do ano passado por 5,55 bilhões de reais, tendo posteriormente ainda ampliado a participação na companhia com novas compras de ações. A companhia alterou o nome da distribuidora para Enel Distribuição São Paulo em dezembro passado.

Acompanhe tudo sobre:EletropauloEnel

Mais de Negócios

Playcenter: Cacau Show terá 100 parques da marca nos próximos anos; veja onde fica o próximo

AngloGold Ashanti, empresa de 190 anos, anuncia investimento de R$ 1,1 bilhão no Brasil

Alexandra Loras, Felipe Massa, Sig Bergamin e Álvaro Garnero são os embaixadores da Revo

Delivery e margens apertadas: franquias de alimentação faturam R$ 61,9 bi, mas custos preocupam

Mais na Exame