Negócios

Empresa de diamantes da Anglo American vê alta nas vendas

A De Beers gerou US$ 610 milhões em vendas provisórias de diamantes brutos durante o segundo ciclo de vendas de 2016


	De Beers: "A demanda dos varejistas após os feriados de final de ano está dando apoio à demanda por diamantes lapidados"
 (Luis Davilla/Getty Images)

De Beers: "A demanda dos varejistas após os feriados de final de ano está dando apoio à demanda por diamantes lapidados" (Luis Davilla/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 1 de março de 2016 às 13h43.

Londres - A Anglo American afirmou nesta terça-feira que a De Beers, empresa que a mineradora controla, tem visto uma melhora no mercado de diamantes brutos após ter atuado para diminuir a produção no ano passado.

Esta é a segunda vez na história que a De Beers, um dos maiores produtores de diamantes brutos do mundo e responsável pela maior parte do lucro da Anglo American no ano passado, abriu detalhes sobre suas vendas.

A medida tenta oferecer maior transparência à indústria, que quer recuperar credibilidade.

A De Beers gerou US$ 610 milhões em vendas provisórias de diamantes brutos durante o segundo ciclo de vendas de 2016, que terminou ontem, mais que os US$ 545 milhões registrados no primeiro ciclo, em janeiro.

A alta acontece em meio ao lançamento de duas campanhas publicitárias na China e nos Estados Unidos.

"A demanda dos varejistas após os feriados de final de ano está dando apoio à demanda por diamantes lapidados, o que, por sua vez, eleva a demanda por diamantes brutos", disse Philippe Mellier, executivo-chefe da De Beers.

"No entanto, estamos cientes de que precisamos ter cautela com esta recuperação", acrescentou.

Acompanhe tudo sobre:Anglo AmericanEmpresasEmpresas inglesasMineradorasVendas

Mais de Negócios

Precavida Brasil quer expandir atuação no mercado nacional de precatórios

EXCLUSIVO: Suzano investe US$ 5 milhões em startup canadense que desenvolve hidrogel com eucalipto

Marqueteiro por trás dos copos Stanley retorna à Crocs

Morre Samuel Barata, controlador do grupo Drogaria São Paulo e Pacheco, aos 93 anos

Mais na Exame