Negócios

Embraer vende três jatos E195 para empresas da Europa

A Belavia, empresa da Belarus, e a Aurigny Air Services devem receber os aviões no primeiro semestre de 2014

Avião E195 da Embraer: a aquisição foi feita para renovação de frota e para aumentar o número de voos diários (Divulgação/Embraer)

Avião E195 da Embraer: a aquisição foi feita para renovação de frota e para aumentar o número de voos diários (Divulgação/Embraer)

DR

Da Redação

Publicado em 3 de outubro de 2013 às 07h42.

São Paulo - A Embraer assinou contratos com duas empresas aéreas que vão adquirir três aviões E195 no total, segundo comunicado da fabricante brasileira de aviões nesta quinta-feira.

A Belavia, empresa da Belarus, assinou um contrato com a Embraer Aviação Comercial para a compra de dois jatos E195, que serão incluídos na carteira de pedidos da fabricante do terceiro trimestre deste ano.

Já a Aurigny Air Services, companhia aérea regional da ilha de Guernsey, no Canal da Mancha, comprará um jato E195, que também será incluído na carteira do trimestre encerrado em setembro.

Ambas empresas aéreas devem receber os aviões no primeiro semestre de 2014.

No caso da Belavia, os dois jatos E195 vão se juntar a dois jatos E175 já em operação. A aquisição foi feita para renovação de frota.

Já a Aurigny Air Services adicionará seu primeiro jato E195 a sua frota com a compra, já que atualmente opera turboélices com seis frequências diárias na principal rota entre o Aeroporto Londres Gatwick e Guernsey, segundo afirmou a Embraer em nota. O avião será usado para aumentar o número diário de voos.

Acompanhe tudo sobre:AviõesEmbraerEmpresasEmpresas abertasempresas-de-tecnologiaSetor de transporteTransportesVeículosVendas

Mais de Negócios

Após falharem em 15 projetos, eles criaram uma startup de logística que está recebendo R$ 12 milhões

11 franquias baratas para trabalhar sem funcionários a partir de R$ 2.850

Inteligência Artificial no Brasil: inovação, potencial e aplicações reais das novas tecnologias

Mundo sem cookies: as big techs estão se adequando a uma publicidade online com mais privacidade

Mais na Exame