Negócios

Eletrobras refuta planos de vender participação em Furnas

A estatal afirmou que não há estudos em andamento para uma possível venda de participação da companhia em sua subsidiária Furnas


	Eletrobras: o presidente da Eletrobras disse que uma oferta inicial de ações de Furnas, possibilidade mencionada na matéria do Valor, não está sendo analisada
 (Adriano Machado/Bloomberg)

Eletrobras: o presidente da Eletrobras disse que uma oferta inicial de ações de Furnas, possibilidade mencionada na matéria do Valor, não está sendo analisada (Adriano Machado/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 12 de julho de 2016 às 19h22.

São Paulo - A estatal federal Eletrobras afirmou nesta terça-feira que não há estudos em andamento para uma possível venda de participação da companhia em sua subsidiária Furnas.

Em resposta a consulta da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) após reportagem do jornal Valor Econômico, a empresa de energia afirmou que não há "quaisquer estudos, avaliações ou aprovações de órgãos deliberativos da Eletrobras no que diz respeito a tal operação ou de qualquer outra envolvendo Furnas".

Falando a jornalistas, o presidente da Eletrobras, José da Costa Neto, disse que uma oferta inicial de ações de Furnas, possibilidade mencionada na matéria do Valor, não está sendo analisada pela Eletrobras.

"Somos contra isso. Temos que vender as distribuidoras (federalizadas) e vender outros ativos não estratégicos e fortalecer", disse Costa Neto.

"Resolvendo o plano de custos e aumentando a sinergia, temos um potencial de reversão dos resultados muito grande. E o mercado já está precificando isso", adicionou após participar de evento.

Acompanhe tudo sobre:CVMEletrobrasEmpresasEmpresas estataisEnergia elétricaEstatais brasileirasFurnasHoldingsServiços

Mais de Negócios

“Vamos investir 800 milhões de dólares para transição de veículos elétricos”, diz CEO global do Uber

Universidade aposta em software com IA para aumentar a segurança no campus

Sebrae promove evento gratuito sobre sustentabilidade para pequenos negócios. Inscreva-se

Os CEOS mais bem pagos em 2023 nos EUA

Mais na Exame