Eletrobras e reforma do setor elétrico: o que CEOs esperam no pós-covid

Em meio a dúvidas acerca da privatização da gigante estatal neste ano, executivos falam sobre os próximos passos para a modernização do sistema brasileiro

O ano de 2020 foi praticamente perdido para as elétricas que, além de amargar prejuízos decorrentes da pandemia, viram o pacote de modernização do setor ser esquecido em meio à avalanche de problemas na economia. A partir de agora, porém, a expectativa é que o governo retome a agenda de reforma do setor, incluindo a privatização da Eletrobras, afirmam presidentes de empresas de energia ouvidos pela EXAME.

As empresas do futuro estão aqui. Conheça os melhores investimentos em ESG na EXAME Research.

A privatização — ou capitalização — da estatal é vista como uma das prioridades do governo para aliviar as contas públicas, entretanto, o que era para sair neste ano pode acabar ficando para 2021. No domingo, o jornal O Globo afirmou que o ministro da Economia Paulo Guedes teria dito a interlocutores que a privatização da Eletrobras já está acertada no âmbito do Senado. O entrave estaria somente na Câmara dos Deputados.

Com a notícia, as ações da estatal chegaram a liderar a alta da B3 na manhã desta segunda-feira, 26, e encerraram o pregão com 1,2% de alta.

Para executivos ouvidos pela EXAME, a privatização da Eletrobras é um passo inevitável para a modernização do setor.

Na visão de Miguel Setas, presidente da EDP Brasil, a privatização da Eletrobras é uma tendência do setor elétrico contemporâneo. “O plano vai no sentido correto e é bem-vindo. Seja privatização ou parceria público-privada, estes modelos de gestão são mais eficientes. Trata-se de uma evolução positiva.”

Segundo o executivo, a grande discussão reside em torno do modelo de privatização da estatal brasileira. “A Eletrobras tem atividades em setores considerados estratégicos, que envolvem até soberania nacional, onde o Estado vai querer manter ingerência. O segredo será o equilíbrio entre a presença do Estado e da iniciativa privada.”

Gustavo Estrella, presidente da CPFL Energia, reforça que a estatal é um importante player do setor e, ao longo das décadas, exerceu um papel relevante de fomentar investimentos na área. “Com a privatização da empresa, teremos mais agentes com condições de investir no setor. A própria Eletrobras vai ter mais capacidade de investir.”

Para Ítalo Freitas, presidente da AES Brasil, embora o plano de privatização ainda não esteja definido, é de responsabilidade do regulador garantir um processo justo. “O governo tem várias opções para realizar a privatização da Eletrobras, não vejo grande problemas para isso.”

Ricardo Botelho, presidente da Energisa, alerta que a discussão para privatizar a Eletrobras tem que ir além do ajuste fiscal. “Essa é uma das maiores oportunidades do setor, mas precisa ser um componente para melhorar o ambiente de negócios. Não se pode trocar o monopólio estatal pelo privado.”

Uma das apostas de agentes do setor para a privatização da Eletrobras é a venda fatiada da companhia, que tem 48 usinas hidrelétricas, 12 termelétricas, 2 termonucleares, 62 usinas eólicas e uma solar, e é responsável por mais de 30% da capacidade instalada do país. No entanto, o modelo segue indefinido.

Modernização do setor

Com a pandemia, as discussões acerca dos projetos de lei que tratam da modernização do setor elétrico ficaram de lado. Para as empresas, é de suma importância que o governo retome essa agenda, uma vez que a indústria já vem se preparando para as mudanças que devem acontecer nos próximos anos.

A mais importante, segundo os executivos, é a liberalização do mercado. Ou seja: abertura gradual com a diminuição das barreiras para que consumidores de menor porte possam negociar contratos diretamente com as geradoras — dinâmica que já acontece no chamado mercado livre de energia. Hoje, apenas grandes consumidores (como indústrias, por exemplo) podem fazer isso.

Outro passo fundamental é a digitalização das empresas, processo que foi acelerado pela covid-19 e que deve ser fundamental para a reforma do setor. “Com a pandemia, tivemos que digitalizar as atividades e processos mais rapidamente”, diz Setas.

Estrella explica que a automação de rede, com medição inteligente, faz parte desse processo, que será um grande desafio das empresas daqui para frente. “Teremos que trocar os medidores para ter uma medição remota e online, mas para isso é preciso regulação, o que deverá ser definido no âmbito da reforma do setor.”

Freitas ressalta que, hoje, apenas 10% dos consumidores têm medidores inteligentes. “Para termos uma onda de migração para o ambiente livre, com mais geração por fontes renováveis, precisamos ter um mercado mais automatizado.”

Esperava-se que projetos de lei referentes à modernização do setor elétrico fossem apreciados ainda neste ano, mas com a pandemia acabaram sendo adiados. Para os executivos das empresas elétricas, o governo precisa retomar essa agenda, que inclui temas relevantes como o fim dos subsídios na conta de luz e a questão da contratação de lastro de energia pelas distribuidoras.

“Quando houver uma abertura do mercado, o consumidor vai querer preço competitivo e facilidades. Para isso, é preciso que haja uma reforma profunda no setor”, diz Freitas.

Para Estrella, o mundo passa por uma grande transformação e no setor elétrico não é diferente. “Os hábitos de consumo estão mudando, com novas tecnologias chegando. A regulação do setor precisa ser adaptada para receber essas mudanças.”

Segundo o presidente da EDP, à medida que o mercado de energia passar por uma abertura maior, os clientes poderão escolher de quem vão consumir. “A liberdade de escolha é fundamental para o consumidor do século XXI. É uma resposta à demanda da sociedade”, diz Setas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.