Acompanhe:
seloNegócios

Eletrobras divulgará condições de venda de distribuidoras

Segundo o presidente da companhia, as condições serão divulgadas nos próximos dias

Modo escuro

Continua após a publicidade
Eletrobras: a companhia prevê que a privatização dessas subsidiárias deverá ser concluída até o final do primeiro trimestre de 2018 (Nadia Sussman/Bloomberg)

Eletrobras: a companhia prevê que a privatização dessas subsidiárias deverá ser concluída até o final do primeiro trimestre de 2018 (Nadia Sussman/Bloomberg)

L
Luciano Costa, da Reuters

Publicado em 18 de outubro de 2017 às, 12h14.

São Paulo - A estatal Eletrobras deverá divulgar nos próximos dias as condições de venda de suas seis distribuidoras de eletricidade que operam no Norte e Nordeste do país, disse nesta quarta-feira o presidente da companhia, Wilson Ferreira Jr., que prevê que a privatização dessas subsidiárias deverá ser concluída até o final do primeiro trimestre de 2018.

O governo federal divulgou no final de agosto que pretende privatizar a Eletrobras como um todo, mas a companhia pretende concluir antes a venda das distribuidoras, um plano anterior e que já estava em andamento na companhia.

Como as distribuidoras são fortemente deficitárias, a geração de caixa da Eletrobras, medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA), deverá aumentar em 1,1 bilhão de reais uma vez que seja concluída a venda, disse Ferreira.

Ele ressaltou que o movimento é importante também para a redução de dívidas almejada para a estatal.

Segundo Ferreira, que assumiu a presidência da companhia em julho do ano passado, a Eletrobras deverá fechar 2017 com uma relação entre dívida líquida e geração de caixa gerencial de 3,3 vezes, ante 4,7 vezes no final de junho.

Em 2018, se a empresa conseguir vender as distribuidoras e outros ativos, como fatias minoritárias em usinas e linhas de transmissão, a alavancagem "com certeza" irá cair para abaixo de 3 vezes, disse Ferreira, ao participar de evento do Clube Militar em São Paulo.

Segundo apresentação feita pelo executivo, a Eletrobras pode fechar 2018 com uma relação entre dívida líquida e geração de caixa de 2,4 vezes.

O executivo também defendeu os planos do governo de privatizar a Eletrobras, e disse que a companhia pode ganhar eficiência sob controle privado e continuar sendo uma das maiores empresas de energia no mundo, ou mesmo subir nesse ranking.

Segundo Ferreira, a forte oposição de sindicatos de trabalhadores da companhia aos planos de desestatização "é natural", uma vez que a elétrica precisará passar por um processo de enxugamento, com cortes de pessoal, para se reequilibrar financeiramente.

Últimas Notícias

Ver mais
Enel SP apresenta a Nunes plano de investimento de R$ 6,2 bilhões entre 2024 e 2026
Brasil

Enel SP apresenta a Nunes plano de investimento de R$ 6,2 bilhões entre 2024 e 2026

Há 11 horas

Câmara dos Vereadores de SP marca votação sobre privatização da Sabesp para quarta-feira
Brasil

Câmara dos Vereadores de SP marca votação sobre privatização da Sabesp para quarta-feira

Há 13 horas

EDF, Matrix Energy e Fundo Phoenix entregaram proposta pela Emae
Economia

EDF, Matrix Energy e Fundo Phoenix entregaram proposta pela Emae

Há um dia

Lula assina MP que alivia contas de luz agora, mas pressiona tarifas no futuro
Economia

Lula assina MP que alivia contas de luz agora, mas pressiona tarifas no futuro

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais