Negócios

Ed Gilligan, diretor da American Express, morre aos 55 anos

Executivo era cotado para substituir o atual presidente da companhia, Kenneth Chenault, e morreu repentinamente quanto voltava de uma viagem de negócios


	American Express: Edward Gilligan era um dos responsáveis pela transformação digital da empresa
 (Getty Images/Getty Images)

American Express: Edward Gilligan era um dos responsáveis pela transformação digital da empresa (Getty Images/Getty Images)

Luísa Melo

Luísa Melo

Publicado em 29 de maio de 2015 às 18h36.

São Paulo - O diretor da American Express, Edward Gilligan, morreu repentinamente nesta sexta-feira (29) enquanto voltava de uma viagem de negócios ao Japão.

Segundo o The Wall Street Journal, o executivo, de 55 anos, estava em um avião corporativo com destino a Nova York, quando passou mal.

Um dos responsáveis pela transformação digital da operadora de cartões, Gilligan comandava diversas áreas na companhia e era cotado para substituir seu atual presidente, Kenneth Chenault, de 64 anos.

"Suas contribuições deixaram uma marca inapagável em praticamente todas as áreas do nosso negócio, de cartões comerciais e de viagem até internacionais, consumidores, pequenos negócios, serviços de comércio, serviços de rede e, mais recentemente, no grupo que monta nossas parcerias digitais e dirige inovações em meios de pagamento", disse Chenault em carta aos funcionários.

Gilligan trabalhava na American Express desde 1980.

Acompanhe tudo sobre:American ExpressCartões de créditoEmpresasEmpresas americanasMortessetor-de-cartoes

Mais de Negócios

Após cair 10% em maio, PMEs gaúchas voltam a crescer em junho e começam a se recuperar da enchente

Na febre das corridas de ruas, ele faz R$ 4,5 milhões com corridas em shoppings e até em aeroportos

Metodologia: como o ranking Negócios em Expansão classifica as empresas vencedoras

Cacau Show, Chilli Beans e mais: 10 franquias no modelo de contêiner a partir de R$ 30 mil

Mais na Exame