Ebanx chega à África e quer explorar "próxima grande fronteira" dos pagamentos

Empresa anunciou início das operações na África em sua primeira internacionalização fora da América Latina
Ebanx: unicórnio brasileiro anuncia chegada à África (Richard Drury/Getty Images)
Ebanx: unicórnio brasileiro anuncia chegada à África (Richard Drury/Getty Images)
M
Maria Clara Dias

Publicado em 14/09/2022 às 13:25.

Última atualização em 15/09/2022 às 12:42.

O unicórnio brasileiro de pagamentos Ebanx anuncia nesta semana a chegada à África, numa tentativa de atender o mercado mais proeminente para pagamentos fora da Amérca Latina. Na visão da empresa, o continente africano hoje concentra as melhores oportunidades comerciais e para pagamentos digitais fora do Brasil e dos outros 14 países latinos em que a fintech opera.

A partir desta quarta-feira, 14, o Ebanx passa a incluir três países africanos em seu rol de nações atendidas. Juntos, esses países são responsáveis por 51% do PIB do continente. São eles:

  • África do Sul
  • Quênia
  • Nigéria

Esta é a primeira incursão do Ebanx para além dos países latinos. Ao todo, a fintech soma agora 18 países e mais de 1.000 clientes.

"Este é o momento da África, lembra bastante o cenário da América Latina em 2012, quando o EBANX iniciou sua jornada, fornecendo a empresas globais acesso para vender mais mercadorias e serviços digitais via internet aos latino-americanos através de métodos de pagamentos locais", disse João Del Valle, CEO e cofundador do EBANX.

"A economia digital da África em rápido crescimento está apenas começando e está projetada para crescer ainda mais e se consolidar nas próximas décadas. Ao lado de atores globais, o EBANX será um catalisador dos muitos benefícios de uma economia digital acelerada".

Na África do Sul, a empresa vai passar a processar pagamentos feitos em Instant EFT, segundo método mais popular de pagamento online no país. No Quênia, haverá o M-Pesa, um serviço bancário móvel que permite transferência e pagamentos de compras online e voltado à população desbancarizada. Já na Nigéria, O Ebanx passa a aceitar transações do tipo USSD, para transferência e pagamentos.

Por que a África?

Para justificar a chegada ao continente, o Ebanx toma como ponto de partida análises recentes sobre a economia digital na região. Uma delas, elaborada pela Endeavor, indica um potencial econômico de US$ 115 bilhões na região, um resultado do conhecimento digital de uma população majoritariamente jovem. Em busca de maior acesso a dispositivos móveis, as transferências digitais prometem ser o pontapé para a inclusão financeira. E é aí que entra o Ebanx.

"Após estudar a região e construir um profundo entendimento de seus atores, entidades e desafios locais, estamos mergulhando na África para fornecer soluções de pagamentos locais que ajudarão a construir a economia digital em um ritmo rápido, impulsionarão uma inclusão financeira mais ampla para sua população e proporcionarão maior acesso a uma variedade de bens e serviços de empresas globais interessadas em construir sua participação no mercado da região", disse Paula Bellizia, presidente de Pagamentos Globais do EBANX.

Novidades na plataforma

Além da expansão para o continente africano, mudanças na plataforma de pagamentos do EBANX e novas parcerias globais foram anunciadas durante a sexta edição do Latin America Summit, evento anual do EBANX que acontece pela primeira vez fora do Brasil — agora, na Cidade no México. Entre as novidades estão soluções para processamento de micropagamentos e também transações de alto valor na nuvem.

Mudanças na casa

A ida à África consolida a primeira grande movimentação transfonteiriça do Ebanx desde que anunciou intenções de internacionalizar as operações para além da América Latina, anos atrás. A decisão vem na esteira das recentes reestruturações da companhia, que recenetemente demitiu 20% de sua força de trabalho e prometeu ganhos com foco em eficiência.

À frente da chegada ao continente africano está Paula Bellizia, ex-Google que agora coordena os planos de internacionalização da fintech.