Negócios

Dufry e Alibaba formam joint venture na China

Grupo suíço de lojas duty free afirmou que espera obter receitas de 763 milhões de dólares por meio da emissão

Sede do Alibaba Group  (Aly Song/File Photo/Reuters)

Sede do Alibaba Group (Aly Song/File Photo/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 5 de outubro de 2020 às 09h56.

O Alibaba planeja adquirir uma participação de até 9,99% no grupo suíço de lojas duty free Dufry, disse a Dufry nesta segunda-feira, ao anunciar uma joint venture com a gigante chinesa de comércio eletrônico.

"O Alibaba Group e a Dufry concordaram em entrar em uma colaboração para explorar e investir em oportunidades na China para desenvolver o negócio de varejo de viagem e aprimorar a transformação digital do Dufry", disse a empresa em comunicado.

A companhia, como muitas outras na indústria de turismo, sofreu impacto da Covid-19 e planeja pedir aos acionistas em 6 de outubro que financiem a compra da unidade Hudson por meio de uma nova emissão de ações.

A empresa afirmou que o compromisso do Alibaba significa que agora espera obter receitas de 700 milhões de francos suíços (763 milhões de dólares) por meio da emissão, acima dos 500 milhões de francos anteriormente.

Em agosto, a Dufry concordou em comprar o restante da Hudson por 7,70 dólares por ação em um negócio em dinheiro no valor de cerca de 311 milhões de dólares, que retirará a Hudson da Bolsa de Valores de Nova York.

O grupo de private equity Advent International poderá obter uma participação de quase 20% na Dufry por meio da emissão, financiando até 415 milhões de francos.

O Alibaba terá uma participação de 51% na joint venture, enquanto a Dufry ficará com o restante. Juntamente com a busca de oportunidades de crescimento na China, a joint venture buscará ajudar a Dufry a expandir seus negócios no varejo de viagens online, disse o grupo suíço.

 

Acompanhe tudo sobre:AlibabaDufry

Mais de Negócios

OPINIÃO: Na lama da tragédia, qual política devemos construir?

Conheça a Rota das Artes, o novo roteiro turístico de Minas Gerais

Fabricio Bloisi deixa operação do iFood para assumir comando de grupo de investimentos Prosus

Conheça a CEO que nunca descansa, nem cobra salário – isso porque ela é uma inteligência artificial

Mais na Exame