Acompanhe:
seloNegócios

Dona da Claro terá de pagar US$ 220 mi ao BNDES

Grupo mexicano descumpriu acordo de recomprar de papeis que o BNDESPar detinha de operadoras no caso de venda do controle da empresa

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Loja da Claro: pagamento ao BNDES deve ocorrer em 30 dias a partir de 26 de novembro
 (Antonio Milena/EXAME)

Loja da Claro: pagamento ao BNDES deve ocorrer em 30 dias a partir de 26 de novembro (Antonio Milena/EXAME)

D
Da Redação

Publicado em 23 de julho de 2013 às, 12h20.

Rio - Após oito anos chegou ao fim a batalha judicial entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Telecom Americas - da mexicana América Móvil, controladora da Claro. O banco entrou na Justiça em 2004 para obrigar a companhia a cumprir o contrato firmado em 1997, quando a BNDESPar (braço de participações do BNDES) investiu US$ 164 milhões na compra de ações preferenciais das operadoras Americel e Telet, depois incorporadas à Claro. A 7ª Vara Federal do Rio homologou esta semana um acordo entre as partes.

Pelo acerto, ao qual a Agência Estado teve acesso, o BNDES receberá em torno de US$ 220 milhões. Proposto pela Telecom Americas em novembro, o acordo prevê que o BNDES transfira 34.618.280 ações preferenciais da Claro - que o banco passou a deter após a conversão de 133.930.222 ações da Telet e 132.689.911 da Americel. Receberá por elas US$ 160,5 milhões (cerca de R$ 341,4 milhões em valores atuais). Em cima desse montante serão aplicados juros de 0,49% ao ano, mais a taxa Libor (taxa de juros do mercado de Londres) de seis meses, como correção monetária dos últimos 11 anos. A data-base do acordo é 25 de setembro de 2001, quando foi sacramentada a venda do controle das duas empresas.

O pagamento deverá ser realizado em 30 dias, a partir da homologação do acordo, datada de 26 de novembro. O dinheiro será depositado em uma conta do BNDES no Citibank de Nova York.

Embora as ações da BNDESPar fossem preferenciais (sem direito a voto), o acordo de acionistas garantia ao banco o chamado "tag along" no caso de venda do controle das duas empresas. Na prática, isso significa que os mexicanos teriam que recomprar os papéis do banco pelo mesmo valor pago na operação aos antigos sócios controladores das duas empresas (US$ 160,5 milhões).


Em 2001, a Bell Canada International (BCI) adquiriu as duas operadoras de telefonia celular. Pouco depois, vendeu o controle das empresas para a Telecom Americas, controlada pela América Móvil, do bilionário mexicano Carlos Slim Helú. Na origem, Americel e Telet eram controladas por um consórcio formado por fundos de pensão, Opportunity e Grupo La Fonte, que detinham 51%. As estrangeiras BCI e Telesystem tinham os outros 49%.

Após a operação de troca de controle, entretanto, o grupo mexicano descumpriu o acordo e ofereceu ao BNDES apenas R$ 15,43 milhões. O banco recusou e em 2004 entrou com uma ação na Justiça Federal. O processo judicial foi tão complexo que acumulou 17 volumes, com documentos e manifestações de Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e Ministério Público Federal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimas Notícias

Ver mais
Depois do "back to basics", CVC mira 2 mil lojas
Exame IN

Depois do "back to basics", CVC mira 2 mil lojas

Há 8 horas

MELHORES E MAIORES 2024: inscrições estão abertas
seloNegócios

MELHORES E MAIORES 2024: inscrições estão abertas

Há 23 horas

Pasta do Comércio da China se compromete a ajudar empresas e a impulsionar demanda doméstica
Economia

Pasta do Comércio da China se compromete a ajudar empresas e a impulsionar demanda doméstica

Há um dia

Elon Musk processa OpenAI e Sam Altman por relação com Microsoft
Exame IN

Elon Musk processa OpenAI e Sam Altman por relação com Microsoft

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais