Negócios

Dona da C&A teria interesse em vender companhia para chineses

Citando fontes não identificadas, a revista alemã Der Spiegel acrescenta que o negócio estaria próximo de ser concluído

C&A opera centenas de lojas na Europa, América Latina e Ásia (Wikimedia Commons/Wikimedia Commons)

C&A opera centenas de lojas na Europa, América Latina e Ásia (Wikimedia Commons/Wikimedia Commons)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 15 de janeiro de 2018 às 06h38.

Última atualização em 15 de janeiro de 2018 às 09h05.

Berlim - A família controladora da rede de vestuário C&A estaria considerando a venda da companhia a um investidor chinês, afirmou a revista alemã Der Spiegel. Citando fontes não identificadas, a publicação acrescenta que o negócio estaria próximo de ser concluído.

A C&A opera centenas de lojas na Europa, América Latina e Ásia. A companhia foi fundada em 1841 na Holanda pelos irmãos Clemens e August Brenninkmeijer. A família Brenninkmeijer ainda controla a C&A através da Holding Cofra, baseada na Suíça.

Em um comunicado, a Cofra afirmou que está "completamente comprometida em manter um negócio bem sucedido e com futuro para a C&A e que a companhia embarcou em um programa de transformação e crescimento".

Sem citar diretamente a venda, o comunicado continua: "a atual transformação da C&A inclui a investigação de formas de acelerar áreas prioritárias e de alto crescimento, como China, mercados emergentes e digital, o que pode potencialmente envolver parcerias e outros tipos de investimento externo".

Acompanhe tudo sobre:acordos-empresariaisC&AEmpresas

Mais de Negócios

Como o chef João Diamante está ajudando a mudar o mundo por meio da alimentação

Carrefour inaugura primeiro Atacadão na França

RS precisa de lei de incentivo à reconstrução similar à da cultura, diz empresário gaúcho

Com locação de equipamentos de TI, empresa tem crescimento orgânico de 54% em 2023

Mais na Exame