Negócios

Dafiti é rentável pelo 3° ano e investe R$ 210 mi em distribuição

Em 2019, a varejista cresceu 21,9% e atingiu vendas de 2,5 bilhões de reais. A empresa lançou o Prime e investirá mais de 200 milhões de reais em um novo CD

Um dos principais motivos para o crescimento das vendas no quarto trimestre foi a Black Friday, que foi a maior edição do evento promocional da história da companhia (Divulgação Dafiti/Divulgação)

Um dos principais motivos para o crescimento das vendas no quarto trimestre foi a Black Friday, que foi a maior edição do evento promocional da história da companhia (Divulgação Dafiti/Divulgação)

Karin Salomão

Karin Salomão

Publicado em 3 de março de 2020 às 12h52.

Última atualização em 3 de março de 2020 às 13h12.

Com Black Friday e um novo serviço de assinatura Prime, a Dafiti está acelerando seu crescimento. A companhia também irá investir 42 milhões de euros em um novo centro de distribuição para acelerar as entregas, cerca de 210 milhões de reais, ao mesmo tempo em que acelera a adoção de seu novo serviço de assinatura Prime, com frete grátis e mais veloz. 

A empresa de comércio eletrônico de moda reportou uma alta de 23.7% no quarto trimestre de 2019 em relação ao mesmo período de 2018, com vendas de 749,6 milhões de reais. Considerando o ano todo de 2019, o e-commerce cresceu 21.9% e atingiu vendas de 2,5 bilhões de reais. Em 2018, o crescimento foi de 18.5%.

A companhia foi rentável pelo terceiro ano seguido, com Ebitda positivo.

Um dos principais motivos para o crescimento das vendas no quarto trimestre foi a Black Friday, que foi a maior edição do evento promocional da história da companhia. "Esse evento, com nomes diferentes, tem se tornado forte em todos os países que atuamos", diz  Malte Huffmann, cofundador e vice-presidente de marketing e compras da Dafiti. Além do Brasil, a Dafiti está presente na Argentina, Chile e Colômbia.

Logística

Para aumentar as vendas, principalmente em períodos de alta demanda como a Black Friday, é essencial diminuir o prazo de entrega - um dos principais fatores de decisão de compra pela internet.

A Dafiti tem uma modalidade de entrega no mesmo dia em São Paulo e a média de entrega na cidade é de 2 a 3 dias. Com melhoras na eficiência e investimentos em centros de distribuição, a empresa reduziu um dia no tempo médio de entrega.

Para 2020, a empresa irá investir fortemente em logística e automação. A empresa está construindo um novo centro de distribuição em Extrema, MG, com capacidade para 6,7 milhões de itens. Com a automatização na seleção de itens, o CD terá capacidade para entregar 100 mil itens por dia.

O investimento previsto é de 42 milhões de euros - cerca de 210,3 milhões de reais com o câmbio atual. Já são cinco centros de distribuição na América Latina.

Experiência, lojas físicas e Prime 

Concorrentes no comércio eletrônico, desde a gigante Magazine Luiza até a startup de moda Amaro, tem usado lojas físicas para reduzir o tempo de entrega e o custo de logística. Já a Dafiti mantém uma estratégia 100% digital. "Certamente a loja física entrega uma proposta de valor, mas acreditamos que a experiência do consumidor também pode ser aprimorada com o nosso modelo, sem a necessidade de um ponto físico", diz Huffmann.

Segundo ele, poucos comércios grandes na Europa possuem lojas físicas e optam por inovar em outras frentes, como na entrega, devolução e meios de pagamento, por exemplo. A Dafiti faz parte do grupo Global Fashion Group.

Como uma das ações para melhorar a experiência do cliente, a Dafiti lançou para a época da Black Friday seu serviço de assinatura Prime. Por R$ 19,90 anuais, o consumidor tem acesso a frete grátis e mais rápido. Por ora, o serviço está disponível apenas em São Paulo, mas já há planos de expansão.

"O Prime visa aumentar a fidelidade dos nossos clientes. Ainda é um serviço recente, mas tem potencial", diz Philipp Povel, presidente e cofundador da Dafiti. 

Marketplace

Assim como outras empresas de comércio eletrônico, a Dafiti tem investido no marketplace, a venda de produtos por terceiros pela sua plataforma. A participação do marketplace nas vendas totais aumentou de 17% no fim de 2018 para 20% no quarto trimestre do ano.

No Brasil, os itens do marketplace são entregues pelos lojistas terceiros. Já na Argentina e no Chile, há serviço de fulfilment, ou seja, a própria Dafiti recebe e envia os itens de parceiros, o que pode acelerar a entrega e facilitar a logística.

A empresa atua com diversas categorias de moda, como roupas e calçados para mulheres, homens e crianças. Também tem aumentado a participação de itens esportivos. Além disso, também vende itens de beleza e de casa e decoração.

Acompanhe tudo sobre:Dafitie-commerceIndústria de roupas

Mais de Negócios

Previsão é que produção de calçados esteja normalizada no RS até fim de junho

Novo CEO do iFood: o crescimento não virá de novos negócios, mas do aumento da frequência

Para além do marombeiro: rede de academias do Nordeste faz R$ 300 milhões "brigando contra o sofá"

Problemas complexos estão travando a sua empresa? Veja 5 dicas para gerenciá-los

Mais na Exame