Negócios

COP26: 45 países firmam compromissos contra aquecimento global

Segundo o Reino Unido, que liderou o movimento, mais de 100 empresas britânicas se comprometeram a adotar uma postura "nature positive" para deter o avanço das mudanças climáticas até 2030

COP26: países discutem adaptação para redução de danos ocasionados por mudanças climáticas  (OLI SCARFF/AFP/Getty Images)

COP26: países discutem adaptação para redução de danos ocasionados por mudanças climáticas (OLI SCARFF/AFP/Getty Images)

G

GabrielJusto

Publicado em 6 de novembro de 2021 às 11h41.

Neste sábado (6), quando a COP26 celebra o Dia da Natureza e do Uso da Terra, 45 governos se comprometeram a realizar ações e investimentos urgentes para tornar suas agriculturas e sistemas alimentares mais sustentáveis através de reformas políticas, pesquisas e inovação.

Liderados pelo Reino Unido, cerca de 45 países firmaram o compromisso com essas mudanças e também com a garantia de alimentos e empregos para as suas populações. O compromisso deve demandar mais de 4 bilhões de dólares em novos investimentos públicos em inovação agrícola, incluindo o desenvolvimento de culturas resilientes ao clima e soluções regenerativas para melhorar a saúde do solo, ajudando a tornar essas técnicas e recursos acessíveis a centenas de milhões de agricultores.

“Precisamos colocar as pessoas, a natureza e o clima no centro de nossos sistemas alimentares. incentivando os agricultores a cultivar de forma mais sustentável, criar espaço para a natureza em suas terras e reduzir as emissões de carbono", afirmou George Eustice, Secretário Britânico de Meio Ambiente, Natureza e Uso da Terra. "É preciso que haja uma transição justa que proteja os meios de subsistência e a segurança alimentar de milhões de pessoas em todo o mundo – com agricultores, indígenas e comunidades locais desempenhando um papel central nesses planos."

O compromisso firmado por esses países inclui também o apoio às "Agendas de Ação", um acordo internacional que estabelece medidas que governos e agricultores podem tomar para fazer essa transição. Dezesseis países lançaram uma "Agenda de Ação Política" e mais de 160 partes interessadas participaram de uma "Agenda Global de Inovação na Agricultura" para liderar o movimento.

Empresas também engajam

Segundo o Reino Unido, mais de 100 empresas britânicas se comprometeram a adotar uma postura "nature positive" (pró-natureza) para deter o avanço das mudanças climáticas até 2030. A OVO Energy deve plantar um milhão de árvores no país até no próximo ano, e a companhia de água Severn Trent irá restaurar mais de 2.000 acres de turfa em toda a Inglaterra e País de Gales até 2025. A Burberry também revelou uma nova estratégia de biodiversidade, que inclui a garantia de que todo o seu material-chave será 100% rastreável até 2025.

Os compromissos também incluem uma promessa da Co-op, M&S, Sainsbury's, Tesco e Waitrose de reduzir seu impacto ambiental em meio ao clima, desmatamento e natureza em um "Compromisso dos Varejistas pela Natureza" com a WWF.

A contribuição britânica

O Reino Unido delineou uma série de novos compromissos de financiamento do fundo de £3 bilhões para a natureza. Cerca de £25 milhões dos £150 milhões do programa Mobilising Finance for Forests (MFF) do BEIS serão investidos para desenvolver cadeias de suprimentos sustentáveis em países tropicais. Será realizado ainda um investimento de mais de £38 milhões em uma nova iniciativa de pesquisa global através da principal organização de pesquisa agrícola do mundo, o CGIAR (antigo Grupo Consultivo para Pesquisa Agrícola Internacional), para enfrentar a crise climática e proteger a natureza enquanto avança a igualdade de gênero, a redução da pobreza e a segurança alimentar e nutricional.

Como parte do compromisso do primeiro-ministro de gastar pelo menos £3 bilhões em Financiamento Climático Internacional sobre natureza e biodiversidade, o Reino Unido lançou um novo pacote de £500 milhões para ajudar a proteger cinco milhões de hectares de florestas tropicais do desmatamento, uma área equivalente a mais de 3,5 milhões de campos de futebol. O financiamento criará milhares de empregos verdes, inclusive na agricultura sustentável e na silvicultura em todas as regiões de floresta tropical, e gerará £1 bilhão de investimento do setor privado para combater as mudanças climáticas globais.

O país ainda contribuirá com até 40 milhões de libras em financiamento climático internacional para estabelecer o Centro Global de Biodiversidade para o Clima. O Centro Global abordará lacunas críticas de pesquisa sobre como a conservação e o uso sustentável da biodiversidade podem fornecer soluções climáticas e melhorar os meios de subsistência nos países em desenvolvimento.

O Governo Britânico também lançou um programa de apoio de 65 milhões de libras apenas à transição rural para ajudar os países em desenvolvimento a avançar em direção a métodos mais sustentáveis de agricultura e produção de alimentos. Isso incluirá apoio para garantir que os agricultores sejam incluídos nos processos de formulação de políticas, incluindo através de consultas, testes e programas piloto para novas tecnologias e abordagens.

Acompanhe tudo sobre:COP26Mudanças climáticasReino Unido

Mais de Negócios

Gestor consegue identificar comportamentos arriscados e evitar acidentes, diz VP da Geotab

O Brasil pode exportar peças para veículos? Essa é a aposta da Bosch após vender R$ 9,8 bilhões aqui

Startup do Amapá capta R$ 3 milhões e já tem R$ 30 milhões para emprestar na Amazônia

Você já ouviu falar na sigla DYOR? Veja por que ela é importante no universo das finanças

Mais na Exame