Acompanhe:
Apresentado por AES
seloNegócios

No contexto global de descarbonização, o Brasil pode assumir papel de protagonista

País tem empresas de geração de energia 100% renovável como a AES Brasil, que dobrou sua capacidade instalada nos últimos seis anos e prevê novas usinas solares e eólicas

Modo escuro

Continua após a publicidade
Complexo Eólico Tucano, na Bahia: AES Brasil é a primeira empresa do setor a ter um complexo eólico operado exclusivamente por mulheres. (AES/Divulgação)

Complexo Eólico Tucano, na Bahia: AES Brasil é a primeira empresa do setor a ter um complexo eólico operado exclusivamente por mulheres. (AES/Divulgação)

Um dos principais pontos discutidos na COP28 refere-se à importância do aumento da capacidade global das energias renováveis. Não à toa, o documento final da conferência propõe triplicar a geração proveniente desse tipo de fonte. “É uma medida fundamental para limitarmos o aumento do aquecimento global médio em 1,5°C”, alerta Erika Lima, diretora de estratégia e ESG da AES Brasil. “As fontes renováveis têm papel de destaque no país, que pode assumir o protagonismo na transição energética.”

AES Brasil

Empresa de geração de energia 100% renovável, a AES Brasil comprova o que ela diz. Nos últimos seis anos, a companhia dobrou sua capacidade instalada. De 2,7 GW, em 2016, passou para 5,2 GW, em 2022, distribuídos entre hídrico (2,7 GW), eólico (2,2 GW) e solar (0,3 GW).

“Temos executado uma estratégia de expansão baseada em ampliação de ativos e diversificação de portfólio”, resume a executiva.

"A energia eólica e a solar são a resposta para o futuro da eletricidade"Elbia Gannoum, presidente executiva da ABEEólica

Atualmente, a energia renovável corresponde a 85% da matriz elétrica brasileira. De acordo com um estudo da Associação Brasileira de Energia Eólica e Novas Tecnologias (ABEEólica), cada R$ 1 investido em parques eólicos no país acarreta um incremento de R$ 2,9 no PIB após um breve período — estamos falando de dez a 14 meses. “A energia eólica e a solar são a resposta para o futuro da eletricidade”, afirma Elbia Gannoum, presidente executiva da entidade. “Até mesmo os veículos elétricos vão depender de fontes renováveis”.

Capacidade instalada

Entre 2009 e 2018, lembra Elbia, a capacidade dos parques eólicos brasileiros cresceu a um ritmo de 2 GW por ano. De 2019 em diante, esse ritmo de expansão subiu para 4 GW por ano. Atualmente, o Brasil dispõe de mais de mil parques eólicos em 12 estados e de mais de 10 mil aerogeradores em operação. Tudo somado, a capacidade instalada em operação comercial é de 31 GW. Convém registrar que o Brasil, em breve, deverá regulamentar as eólicas offshore, ainda inexistentes no país.

“O setor privado desempenha um papel crucial na transição para uma economia de baixo carbono e na redução das emissões de gases de efeito estufa”, observa Carlo Pereira, CEO do Pacto Global da ONU – Rede Brasil. “No geral, temos visto uma crescente conscientização e um aumento significativo no comprometimento de diversas empresas com a descarbonização”.

Pereira lembra que o desmatamento e o uso inadequado da terra contribuem significativamente para as emissões de gases de efeito estufa no Brasil. “A gestão sustentável da terra, a redução do desmatamento ilegal e a promoção de práticas agrícolas sustentáveis são essenciais para a descarbonização”, observa o CEO.

Metas de sustentabilidade

A par de tudo isso, a AES Brasil traçou metas alinhadas a seis dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. Contribuir com a transição energética por meio da ampliação das fontes renováveis é um dos compromissos assumidos. A AES Brasil apoia seus clientes para que evitem a emissão de gases de efeito estufa em seus processos e fabricação de seus produtos a partir do consumo da energia limpa.

Além de gerar energia 100% renovável, a empresa faz a gestão de seus processos com metas de redução de emissões de gases de efeito estufa em 18% até 2030 — o ano de 2020 serve de base.

"O ESG está no centro da nossa estratégia de crescimento e acreditamos que as pessoas são nossos maiores ativos"Erika Lima, diretora de estratégia e ESG da AES Brasil

Outra meta, muito relevante e alcançada antecipadamente, é a de compensar até 2025 as emissões históricas desde o início da operação, que foi em 1999.

A executiva vai além. “O ESG está no centro da nossa estratégia de crescimento e acreditamos que as pessoas são nossos maiores ativos”, explica. Convém registrar que o Programa de Diversidade e Inclusão da companhia promoveu cursos exclusivos para mulheres em parceria com o Senai da Bahia e o do Rio Grande do Norte, com especialização técnica em manutenção e operação de parques eólicos.

“Temos orgulho em ser a primeira empresa do setor a ter um complexo eólico operado exclusivamente por mulheres”, Lima acrescenta. Refere-se ao Complexo Eólico Tucano, na Bahia. No Rio Grande do Norte, o Complexo Eólico Cajuína também seguirá o mesmo modelo. Em linha com o compromisso de aumentar a diversidade de gênero na companhia, a empresa aderiu ao Movimento Elas Lideram 2023 tendo assumido a meta de até 2025, ter 30% de mulheres em cargos de alta liderança.

Porto do Pecém, no Ceará: a AES Brasil estuda a construção de uma unidade fabril com capacidade de produzir até 800 mil toneladas de hidrogênio e amônia verde por ano (AES/Divulgação)

Única companhia de energia da América Latina que obteve a classificação “AAA” no rating de ESG do Morgan Stanley Capital International (MSCI), voltado para empresas de capital aberto, a AES Brasil firmou um pré-contrato com o Porto do Pecém, no Ceará, em 2022. Desde então, tem desenvolvido um estudo de viabilidade técnica e comercial para a construção de uma planta industrial para produção de hidrogênio verde, com capacidade instalada de eletrólise de até 2 GW — o objetivo final é produzir até 800 mil toneladas por ano de amônia verde."

A abertura do Mercado Livre de Energia no Brasil, em janeiro deste ano, promete trazer mudanças profundas para o setor. Até o ano passado, só as empresas que consumiam mais de 500 kW podiam escolher o fornecedor que quisessem. “Existem pelo menos 72 mil unidades com potencial para migrar para o Mercado Livre”, comemora Erika Lima. “Nós já estamos prontos para ele e entre as três maiores comercializadoras varejistas do país.”

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
L’Occitane au Brésil abraça a biodiversidade brasileira para transformar o cenário da beleza
seloApresentado por L’OCCITANE AU BRÉSIL

L’Occitane au Brésil abraça a biodiversidade brasileira para transformar o cenário da beleza

Há 10 horas

Como o cacau pode fazer muito mais do que chocolate
seloNegócios

Como o cacau pode fazer muito mais do que chocolate

Há 11 horas

Casa dos Ventos aposta no Brasil como protagonista da transição energética
seloApresentado por CASA DOS VENTOS

Casa dos Ventos aposta no Brasil como protagonista da transição energética

Há 16 horas

17ª Eletrolar Show acontecerá entre 15 e 18 de julho, em São Paulo
seloApresentado por ELETROLAR SHOW

17ª Eletrolar Show acontecerá entre 15 e 18 de julho, em São Paulo

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais