Acompanhe:
seloNegócios

Compra de rede de mercados pela Amazon agita setor de US$ 800 bi

Em uma única jogada, o fundador da Amazon, Jeff Bezos, entrou no negócio de supermercados com a aquisição da Whole Foods por US$ 13,7 bilhões

Modo escuro

Continua após a publicidade
Amazon: a aquisição ameaça empresas de supermercados tradicionais (Kim Kyung-Hoon/Reuters)

Amazon: a aquisição ameaça empresas de supermercados tradicionais (Kim Kyung-Hoon/Reuters)

M
Matthew Boyle, da Bloomberg

Publicado em 19 de junho de 2017 às, 17h11.

Nova York - Desde sua fundação, há 23 anos, a Amazon.com mudou radicalmente o negócio de venda de livros, música e quase tudo o mais que consumimos -- exceto alimentos.

Até agora. Em uma única jogada, o fundador da Amazon, Jeff Bezos, entrou no negócio de supermercados com a aquisição da Whole Foods por US$ 13,7 bilhões.

O negócio surpresa agita o setor de supermercados, de US$ 800 bilhões -- e o de varejo, de forma mais ampla --, ao casar a vasta escala e a habilidade digital da Amazon com as 460 lojas e a rede de distribuição de alimentos frescos da Whole Foods.

A aquisição ameaça empresas de supermercados tradicionais como a Kroger, que já estavam sofrendo com a deflação dos alimentos nos EUA e com a invasão de novos concorrentes, como as redes alemãs de descontos Aldi e Lidl. As ações das rivais sentiram o golpe.

O acordo provavelmente estimulará outras empresas a se defenderem com suas próprias ondas de compras, consolidando o fragmentado setor de alimentação dos americanos.

“Isto é um divisor de águas”, disse Zachary Fadem, analista do Wells Fargo. “É um tiro de advertência para o setor varejista de alimentos de que a concorrência provavelmente aumentará frente a um cenário já desafiador.”

O acordo ocorre depois que a Amazon, que tem sede em Seattle, EUA, passou quase uma década tentando encontrar um caminho para o negócio de entrega de alimentos frescos por meio de vários empreendimentos, sem muito sucesso.

Ninguém menos que John Mackey, CEO da Whole Foods, certa vez previu que a busca da Amazon por entregas de compras de supermercado seria o “Waterloo da Amazon”.

Agora, Bezos será o chefe de Mackey e a união desses dois pioneiros pode mudar radicalmente o acomodado negócio de supermercados.

As várias incursões da Amazon no ramo de venda de itens de supermercado -- Amazon Fresh, Amazon Pantry, Prime Now -- receberão um impulso da rede de lojas da Whole Foods e de sua base de clientes fiel e endinheirada.

"Whole Paycheck"

Apenas em torno de 1 por cento a 2 por cento do setor foi transferido para a internet, mas a expectativa é que esse número suba para 6 por cento nos próximos cinco anos porque os consumidores da geração Y têm uma propensão duas vezes maior de comprar itens de supermercado pela web, segundo o analista Marc Astrachan, da Stifel Nicolaus & Co.

O controle da Amazon provavelmente também resultará em preços mais baixos na Whole Foods, cujos produtos caros, como ovos de emu vendidos a US$ 30, ganharam o apelido de “Whole Paycheck” (“Salário inteiro”). Isso poderia forçar outros supermercados a seguirem o exemplo para não perderem clientes, disse Astrachan.

“A Amazon está no negócio de alimentos há mais de 10 anos e o fato de agora chegar à conclusão de que precisa de lojas físicas de tijolos e cimento é importante”, disse o analista Dan Binder, da Jefferies, em nota. “A Amazon ganha experiência em itens de supermercados e orgânicos em particular.”

Últimas Notícias

Ver mais
Amazon enfrenta processo por suposto uso de IA em atores para filme
Inteligência Artificial

Amazon enfrenta processo por suposto uso de IA em atores para filme

Há 2 dias

Como parceria entre SpaceX e Bahamas pode impulsionar e transformar o turismo espacial mundial
Um conteúdo Bússola

Como parceria entre SpaceX e Bahamas pode impulsionar e transformar o turismo espacial mundial

Há 3 dias

Plataforma compra startup de R$ 17 milhões para ensinar tecnologia com joguinho de PC
seloNegócios

Plataforma compra startup de R$ 17 milhões para ensinar tecnologia com joguinho de PC

Há 4 dias

Energias renováveis movimentam R$ 50 bilhões em fusões e aquisições em 10 anos
ESG

Energias renováveis movimentam R$ 50 bilhões em fusões e aquisições em 10 anos

Há 5 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais