Negócios

Comcast comprará a DreamWorks Animation por US$ 3,8 bilhões

A Dreamworks Animation tem um volume de negócios anual de quase 900 milhões de dólares, obtido com um número limitado de produções


	DreamWorks: a empresa tem um volume de negócios anual de quase 900 milhões de dólares, obtido com um número limitado de produções
 (Divulgação)

DreamWorks: a empresa tem um volume de negócios anual de quase 900 milhões de dólares, obtido com um número limitado de produções (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de abril de 2016 às 11h28.

O grupo americano Comcast anunciou nesta quinta-feira que pretende comprar o estúdio de cinema DreamWorks Animation, cofundado por Steven Spielberg, por 3,8 bilhões de dólares.

O grupo, que vai concretizar a compra por meio de sua filial NBCUniversal, busca assim reforçar a oferta de conteúdo ao adquirir o estúdio responsável por grandes sucessos da animação como "Shrek" ou "Kung Fu Panda".

"A Dreamworks nos ajudará a aumentar nosso volume de negócios com programas para televisão, parques temáticos e produtos derivados", afirma um comunicado assinado por Steve Burke, diretor da NBCUniversal.

Cada acionista da Dreamworks receberá 41 dólares por título, um lucro de 27% na comparação com a cotação de quinta-feira em Wall Street.

A transação deve ser concluída no último trimestre de 2016, desde que seja aprovada pelas autoridades americanas, informa o comunicado.

A Dreamworks Animation tem um volume de negócios anual de quase 900 milhões de dólares, obtido com um número limitado de produções.

A empresa já havia mantido negociações com o grupo japonês de telecomunicações SoftBank e depois com a fabricante americana de brinquedos Hasbro, mas nenhuma delas teve sucesso.

Acompanhe tudo sobre:ArteCinemaComcastDreamWorksEmpresasEmpresas americanasEntretenimento

Mais de Negócios

Apple mantém diálogos com concorrente Meta sobre IA

30 franquias baratas para começar a empreender a partir de R$ 9.500

Empreendendo no mercado pet, ele saiu de R$ 50 mil para R$ 1,8 milhão. Agora, aposta em franquias

Ele quer chegar a 100 lojas e faturar R$ 350 milhões com produtos da Disney no Brasil

Mais na Exame